Sakineh Mohammedi Ashtiani, a iraniana condenada a morrer apedrejada por adultério, confessou ter ajudado um homem a matar seu marido e disse ter participado de uma reconstituição do crime durante entrevista levado ao ar pela televisão estatal na sexta-feira. O programa parece ser um esforço do governo do Irã de desviar as críticas internacionais sobre o caso.
Autoridades anunciaram sua condenação no caso de assassinato apenas depois do tumulto provocado pela sentença de apedrejamento. Seu advogado – que foi preso – disse que ela nunca foi formalmente julgada e que Sakineh foi torturada até confessar o crime. As autoridades podem usar a acusação de assassinato para justificar a execução da iraniana por enforcamento em fez de apedrejamento.
Nas imagens mostradas pela emissora em inglês Press TV, a mulher de 43 anos, que é mãe de dois filhos, foi levada da prisão até a sua casa, nas proximidades da cidade de Tabriz, noroeste do Irã, onde reconstituiu o suposto assassinato ocorrido em dezembro de 2005. Um ator interpretou seu marido.
Vestida de preto com um lenço bege cobrindo os cabelos, Sakineh descreveu como iniciou o caso com outro homem, identificado como Isa Taheri. Ela disse ter dado ao marido uma injeção que o deixou inconsciente e que Taheri foi até sua casa e o eletrocutou.
A Anistia Internacional criticou a veiculação do programa, que fora anunciado durante o dia pela Press TV, dizendo que ele violou os padrões internacionais de um julgamento justo por ter feito Sakineh apresentar “provas” contra si mesma.
A iraniana foi condenada em 2006 por ter tido um “relacionamento ilícito” com dois homens após o assassinato de seu marido um ano antes e foi condenada a 99 chibatadas. Mais tarde, naquele mesmo ano, ela também foi condenada por adultério e recebeu a sentença de apedrejamento, embora tenha retirado a confissão, afirmando que ela havia sido feita sob coerção. As informações são da Associated Press.

Estadão / Portal Padom

Deixe sua opinião