Nesta quinta-feira, o Jornal da Record voltou a falar sobre as acusações que o Bispo Edir Macedo e a Igreja Universal do Reino de Deus vem sofrendo nos últimos dias. A emissora fez também mais denúncias contra a Rede Globo, como uso de câmera escondida em cultos da igreja, prejuízo ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), além de afirmar que “os ataque da Globo ridicularizam a fé dos evangélicos”.Logo no início da reportagem, a Record voltou a mostrar o tempo que o Jornal Nacional desta quarta-feira dedicou ao assunto, novamente 10 minutos. Em seguida acusou a Globo do uso de imagens ilegais em cultos religiosos da igreja, com câmara escondida, que um produtor se passou por fiel para invadir o templo. A Record se defendeu dizendo que as reuniões entre os fiéis são mostradas nas madrugadas de diversas emissoras do país.
Depois o Jornal da Record falou de um rombo que a Globo teria dado no BNDES. “A Globo é responsável por um dos maiores prejuízos do BNDES. Recebeu R$ 400 milhões e deu 5% das ações ao banco. Só que as ações, alguns anos depois, estavam valendo apenas R$ 2 milhões”, frisou a matéria, que continuou e disse que as acusações da Globo estavam ridicularizando a fé dos evangélicos. A Record também comparou algumas ações da Universal com a Igreja Católica, tais como a doação de dinheiro, hóstia, entre outras coisas.
Globo mostra denúncias do jornal Estado de S. Paulo que afirmam que doações de fiéis serviram para compra de imóveis de R$ 25 milhões
O Jornal Nacional desta quinta-feira mostrou denúncias do jornal O Estado de S. Paulo, que dão conta de que o dinheiro das doações de fiéis da Igreja Universal está envolvido em operações suspeitas na compra e venda de bens em nome de Edir Macedo, e outras nove pessoas acusadas de desviar o dinheiro das doações.
O Estadão diz que entre 1996 e 2007, o grupo movimentou R$ 25,6 milhões para comprar imóveis acima de R$ 1 milhão. Seriam casas e terenos espalhados pelo Brasil. A Globo destaca que as acusações estão todas baseadas no relatório do COAF (conselho de controle de atividades financeiras).
Os imóveis seriam um prédio em Salvador, comprado em 1999 por R$ 8 milhões; uma casa comprada por mais de R$ 3 milhões e um terreno por mais de R$ 4 milhões em 2001 em São Paulo; e dois terrenos, um de quase R$ 8,5 milhões e outro de pouco mais de R$ 1,7 milhão, em 2006, no Rio de Janeiro.

Leia também!  Igreja dissidente da Universal atrai multidão em Campo Grande

Parlamentares apóiam investigações
Em Brasília, políticos apóiam que sejam feitas investigações para avaliar as denúncias do Ministério Público e do jornal o Estado de S. Paulo. O deputado Arnaldo Madeira (PSDB-SP) diz que “é um impacto muito grande, e aí não se trata de prejulgar. Mas se trata de dizer: a Justiça tem de tomar uma decisão que é apurar e decidir”.
Já para o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), “essa mistura da fé das pessoas com televisão, com política, isso não tinha como terminar bem. E não vai terminar bem”. O Senador Marcelo Crivela, por sua vez, saiu em defesa de Edir Macedo.
“Essa tese de que pastores tenham pego dinheiro de ofertas, mandado para o exterior e assim financiado recursos para enriquecer, isso não é novo. Isso ja foi denunciado em 1993, com denuncia apócrifa. De lá para cá, a Polícia Federal, a Interpol, o FBI, a Receita Federal e finalmente o Supremo Tribunal Federal concluÍram que as denúncias não tinham fundamento”, disse o senador.
srzd/padom

Deixe sua opinião