O currículo sugerido pela organização de saúde das Nações Unidas promove a sexualidade aberrante das crianças, alegando que suas diretrizes substituem as dos pais. Isso assume implicações assustadoras ao considerar a história de estupro e pedofilia dentro da organização.

Após a organização lidar com a pandemia em curso COVID-19, o Presidente Trump removeu o financiamento dos EUA da Organização Mundial da Saúde (OMS). Muitas pessoas criticaram a decisão, mas um exame mais detalhado mostra que a OMS não apenas é incompetente em desempenhar a função para a qual foi criada, mas também tem agendas paralelas que são realmente chocantes. Um desses programas, iniciado há mais de dez anos, concentra-se em doutrinar crianças com menos de quatro anos no “gozo e prazer da masturbação” e que, mesmo para crianças, a sexualidade é uma “parte normal da vida de todos”.

O Centro Colaborador da OMS para Saúde Sexual e Reprodutiva, criado em 2003 no Centro Federal Alemão para Educação em Saúde (BZgA), focou-se em estabelecer padrões para a educação sexual, fornecendo orientações para a implementação e apoiando a implementação de programas de treinamento para educadores. O programa foi traduzido para vários idiomas e usado internacionalmente. O programa foi produzido em um documento-quadro para o desenvolvimento da educação sexual. Foi utilizado em pelo menos 14 países para desenvolver ou adaptar currículos para educação em sexualidade e / ou advocacia para os tomadores de decisão.

O currículo da OMS sugere que as crianças de quatro a seis anos recebam informações “sobre amizade e amor com pessoas do mesmo sexo” e “relações entre pessoas do mesmo sexo” e sejam orientadas a desenvolver “uma atitude aberta e sem julgamento”.

De acordo com este programa, crianças menores de quatro anos são introduzidas à masturbação, incluindo “brincando de médico” (ou seja, atividade sexual com outra pessoa de idade não especificada). Crianças de 4-6 anos são introduzidas em “relações entre pessoas do mesmo sexo” (isto é, homossexualidade). 

A OMS também remove a autoridade dos pais em tais assuntos, estabelecendo seus padrões como substituindo-os. 

 “Como discutido”, lê o documento, “pais, outros membros da família e outras fontes informais são importantes para aprender sobre relacionamentos humanos e sexualidade, especialmente para grupos etários mais jovens.

No entanto, na sociedade moderna, isso geralmente é insuficiente, porque essas fontes informais geralmente não possuem o conhecimento necessário, principalmente quando são necessárias informações técnicas e complexas (como as referentes aos modos de contracepção ou transmissão das DST).”

 Em 2018, Andrew MacLeod, ex-chefe de operações do Centro de Coordenação de Emergências da ONU, afirmou que cerca de 60.000 casos de exploração sexual foram cometidos na última década por 3.300 pedófilos trabalhando na organização.

Crimes de estupro Infantil estão sendo inadvertidamente financiado, em parte, pelo Reino Unido contribuintes”, disse ele em entrevista ao tablóide britânico The Sun . Ao mesmo tempo, o secretário-geral da ONU, António Guterres, admitiu que a ONU “lutou por muitos anos com a questão da exploração e abuso sexual”, conforme relatado pelo jornal britânico Sun Times. No início de 2017, o Secretário-Geral das Nações Unidas admitiu 145 incidentes envolvendo 311 vítimas apenas em 2016, principalmente em operações de paz.

Em um caso que é perturbadoramente relevante para o programa educacional da OMS, o trabalhador humanitário canadense Peter Dalglish, que ajudou a fundar a instituição de caridade Street Kids International, foi preso pela polícia no Nepal por alegações de que ele estava envolvido em atividades pedófilas no distrito de Kavre, a cerca de 50 quilômetros norte da capital, Katmandu.

Sob o disfarce de trabalhador comunitário, alegando educar crianças pobres e fornecer o apoio necessário, ele estava explorando sexualmente essas crianças. Desenvolvemos uma rede de som para rastrear e prender pedófilos que entram no Nepal. Estávamos acompanhando as atividades de Dalglish nas últimas duas semanas, depois que fomos informados sobre as atividades dele”, afirmou Pushkar Karki, chefe do CIB e vice-inspetor geral de polícia, segundo o Kathmandu Post.

Antes de sua passagem pelo Nepal, ele trabalhou para várias agências das Nações Unidas e foi o representante da ONU-Habitat no Afeganistão.

Ele também fez parte da Missão das Nações Unidas para a Resposta de Emergência ao Ébola na Libéria até janeiro de 2016 e foi consultor da Organização Mundial da Saúde para ajudar a combater a propagação da doença.

“Ai dos que chamam de mau aquilo que é bom e que chamam de bom aquilo que é mau; que fazem a luz virar escuridão e a escuridão virar luz; que fazem o amargo ficar doce e o que é doce ficar amargo!”  – Isaías 5:20 

Deixe sua opinião