Imagem ilustrativa

Um menino de 8 anos de idade, foi impedido de falar sobre Deus durante uma apresentação de um trabalho em sala de aula.

John Ellis, pai do menino e ancião da igreja em Arlington, Virginia, disse que seu filho foi interrompido pelo professor, quando ele começou a contar aos seus colegas sobre a história de Daniel, registrada na Bíblia.

Ellis diz que não sabia que seu filho, que está no segundo grau da escola primária, havia levado a sua Bíblia para a escola, mas sabia que a criança faria a apresentação de um trabalho.

Quando ele perguntou ao filho como foi a sua apresentação, ele disse que o menino lhe respondeu: ‘A professora me impediu de falar e passou para a próxima pessoa. Ela não me deixou contar aos meus colegas sobre Daniel.’

Ele disse que seu filho estava confuso com as ações da professora.

“Veja, meu filho estava lendo o livro de Daniel e queria contar aos amigos que era importante para ele.” O que ele não percebeu é que a Bíblia, por mais importante que seja sua identidade, é proibida no admirável mundo novo da tolerância progressiva”, disse Ellis.

“A Bíblia e aqueles que levam a Palavra de Deus a sério não são permitidos em uma plataforma de uma América de esquerda.” Meu filho aprendeu isso da maneira mais difícil recentemente, sua decepção é apenas ofuscada por sua confusão sobre por que a professora não lhe permitiu que ele terminasse sua apresentação”, acrescentou.

John questionou o fato de que a ideologia de gênero está sendo acomodada pelo sistema escolar na Virgínia, mas as histórias da Bíblia e as crenças cristãs estão sendo banidas.

Ellis disse à CBN News que está “desapontado” com o crescente antagonismo da nossa sociedade em relação ao cristianismo, mas não está surpreso.

Antes de partir, Jesus nos disse que o mundo nos odiaria porque somos Seus discípulos. Por isso, embora seja triste que nossa sociedade esteja claramente distanciando-se de qualquer reconhecimento evidente de nossa necessidade de nos submeter a Deus de alguma forma, não é surpreendente“, ele disse.

Embora seja fácil reagir às ações do professor com raiva, Ellis insta os cristãos a adotarem outra abordagem.

Temos que ser cuidadosos como cristãos para não demonizar e ficar com raiva de pessoas que estão em rebelião contra Deus porque somos chamados a amá-las, somos chamados a espalhar o evangelho para eles e a desejar o arrependimento e a fé”, ele disse.

Ellis usou o apóstolo Paulo como exemplo de redenção radical.

Quando as coisas acontecem que são discriminatórias, eu não sei que é bom para o nosso primeiro impulso gritar por nossos direitos. Nosso primeiro impulso deve ser de orar e pensar em maneiras, com ajuda e sabedoria dos outros, para pensar em maneiras pelas quais podemos usar a situação para glorificar a Deus e ajudar a espalhar o evangelho de Jesus Cristo“, concluiu.

Deixe sua opinião

WhatsApp
Entre e receba as notícias e artigos do dia