A primeira vacina contra a malária do mundo foi aprovada para distribuição pela Organização Mundial de Saúde.

A malária é a doença infecciosa mais antiga conhecida, responsável pela morte de cerca de meio milhão de pessoas a cada ano, a maioria crianças.

“De uma perspectiva científica, este é um grande avanço”, disse o Dr. Pedro Alonso, diretor do programa global da OMS contra a malária. “Do ponto de vista da saúde pública, este é um feito histórico.”

Ashley Birkett, líder dos programas de malária em uma organização de saúde global sem fins lucrativos chamada PATH, disse que a vacina tem “potencial para um impacto muito, muito significativo”.

“O progresso contra a malária realmente estagnou nos últimos cinco ou seis anos, particularmente em alguns dos países mais afetados do mundo”, disse ela.

Uma vacina contra a malária está sendo produzida há cerca de 100 anos, relatou a Relevant Magazine. A doença é difícil de tratar porque evolui rapidamente e se transforma entre os ciclos de vida.

Uma reportagem da BBC disse que lutar contra a malária é como “pregar geléia na parede”.

Os ensaios clínicos da vacina contra a malária recentemente aprovada têm uma eficácia de cerca de 50 por cento contra os casos graves. É uma eficácia moderada para uma vacina, mas os programas de modelagem mostram que a vacina pode prevenir 5,4 milhões de casos e cerca de 23.000 mortes em crianças menores de 5 anos a cada ano.

A vacina é chamada Mosquirix e requer quatro doses ao longo de um período de cerca de dois anos.

Cerca de 800.000 crianças no Quênia, Malaui e Gana já foram vacinadas.

A vacina deve ser usada principalmente na África Subsaariana, onde quase um quarto de milhão de pessoas morrem de malária a cada ano.

“Isso abre um caminho totalmente novo para o controle da malária”, disse David Schellenberg, do Programa Global de Malária da OMS.

Disse Alonso: “O que temos agora é uma vacina que pode ser implantada, que é aceita, que é segura e que pode ter um impacto enorme em termos de vidas salvas e episódios de malária evitados”.

Deixe sua opinião