Jerry Falwell Jr., presidente e chanceler de uma das maiores universidades cristãs evangélica do mundo, a Liberty University, está tirando uma “licença indefinida de suas funções” na escola, anunciou o conselho de curadores da universidade na sexta-feira.

O anúncio foi feito depois que Falwell, uma importante personalidade cristã evangélica nos EUA, compartilhou – e depois excluiu – uma foto de férias no Instagram em que suas calças estavam desabotoadas e abertas.

Falwell enfrentou pressão esta semana para renunciar por causa da foto, que ele defendeu como tendo sido tirada “para se divertir”.

 Os críticos apontaram a aparente violação da foto do estrito código de honra do Liberty, que proíbe a mídia com conteúdo sexual e incentiva os alunos a se vestir com “adequação” e “modéstia”.

O conselho de curadores da Liberty disse que havia solicitado a Falwell tirar licença e que ele concordou em fazê-lo.  A mudança é “efetiva imediatamente”, disse o conselho.

Falwell, um defensor  do presidente Donald Trump, já se envolveu em algumas  polêmicas.

 Liberty foi agredida com uma ação coletiva em abril, depois que Falwell insistiu em manter o campus aberto durante a pandemia do coronavírus.  E no ano passado, vários atuais e ex-funcionários da Liberty University contaram ao Politico sobre vários casos de comportamento questionável por parte do presidente da escola, incluindo sua inclinação para discutir explicitamente sua vida sexual com os funcionários e promover um ambiente de trabalho tóxico e baseado no medo.

Post o Instagram que foi apagado em seguida

 “Todo mundo está com medo de sua vida.  Todo mundo anda com medo”, disse um funcionário na época.

A Liberty University é uma universidade cristã evangélica particular em Lynchburg, Virginia. É uma das maiores universidades cristãs evangélicas do mundo e uma das maiores universidades privadas sem fins lucrativos dos Estados Unidos, medida pelo número de alunos matriculados.

Deixe sua opinião