Pr Marcos, da Assembléia de Deus dos Últimos Dias e Waguino defenderam pena de morte em velório de ex-vereador

0
115

marco-p-silva-e-waguinhoRIO – O ex-vereador Josinaldo Francisco da Cruz, o Nadinho de Rio das Pedras, assassinado nesta quarta-feira com pelo menos dez tiros na cabeça, nos braços e nas costas, em frente ao prédio onde morava no Condomínio Rio 2, na Barra da Tijuca, será sepultado às 14h no Cemitério de Ilha de Guaratiba, na Zona Oeste. O Pastor Marcos, da Assembléia de Deus dos Últimos dias, acompanhado do ex-pagodeiro Waguinho, que também é pastor, ao chegar para o velório, defendeu a pena de morte.
– A esposa do vereador é evangélica e o ex-vereador também foi evangelizado por mim. Estou aqui para prestar solidariedade à família. Não temos pena de morte no país. É uma pena. Estão acontecendo coisas graves aqui. Cerca de 70 pessoas participam do velório, que acontece na capela A do cemitério. A imprensa foi proibida de entrar no cemitério.
Nesta quarta-feira, a Polícia garantiu que o assassinato de Nadinho foi cometido devido à ligação dele com uma milícia. Ele já havia sido alvo de um atentado em dezembro do ano passado, quando pediu escolta permanente. Mas o carro da PM que ficava de plantão na frente do condomínio foi retirado em fevereiro. Um policial militar que estava à paisana, e seria o segurança pessoal do ex-vereador, também foi baleado no atentado, mas passa bem.
Segundo o advogado da vítima, Edson Fontes, no último sábado Nadinho disse a ele que estava com medo de morrer e reclamou que desde março ele não tinha mais uma viatura parada na porta do condomínio para lhe dar proteção.
– Ele vinha recebendo ameaças e me disse que estava com muito medo – disse o advogado.
Do lado externo do condomínio há marcas de balas na catraca do estacionamento e em cinco carros particulares. Segundo informações do advogado de Nadinho, Edson Fontes, há informações não confirmadas de que após a execução teria havido uma troca de tiros na porta do condomínio.
No início de dezembro do ano passado, Ele foi baleado na barriga e na coxa direita quando chegava em casa na Favela Rio das Pedras, em Jacarepaguá.
Duas execuções em menos de 12 dias A execução do ex-vereador o Nadinho aconteceu 12 dias após o assassinato do presidente da Cooperativa de Transporte Alternativo de Rio das Pedras, Getúlio Rodrigues Gamas, em Cachoeiras de Macacu. Getúlio foi morto com um tiro no rosto um mês depois de prestar depoimento no Ministério Público, acusando Nadinho de estar planejando sua morte. Na guerra de acusações, Nadinho já havia apontado Getúlio como um dos chefes da milícia de Rio das Pedras.
A disputa pelo controle da milícia que atua na região teve início com o assassinato do inspetor de Polícia Civil Félix Tostes, em 22 de fevereiro de 2007. As investigações concluiram que o crime havia sido encomendado pelo então vereador Josinaldo Francisco da Cruz, o Nadinho, para evitar o lançamento da candidatura de Félix à Câmara de Vereadores, nas eleições de 2008, evitando assim a pulverização dos votos dos moradores de Rio das Pedras, então reduto eleitoral de Nadinho.

OGlobo/padom.com

Deixe sua opinião

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui