“Não acredito que ele renunciou.” 

O comentário recente para mim foi de um membro de uma igreja aparentemente saudável. O pastor estava na igreja há sete anos e decidiu deixar a congregação. Neste exemplo em particular, não houve conflito significativo. Não havia pressão para ele sair. Pelo contrário, ele era amado pela maioria dos membros da igreja. 

Mas ele desistiu. 

Não apenas ele desistiu, ele decidiu dar um tempo na liderança da igreja e conseguiu um emprego no mundo secular.

“Mas o que foi realmente estranho”, comentou o membro da igreja, “acabamos de celebrar uma de nossas maiores realizações em anos com a construção de nosso novo centro de adoração. Foi realmente um sucesso de várias maneiras. ” 

Obviamente, o membro da igreja não sabia que a demissão de seu pastor não era incomum. De fato, ouvimos pastores quase todos os meses que decidem deixar suas igrejas quando as coisas estão indo muito bem. Em termos simples, os pastores às vezes partem após uma realização aparentemente grande, como a construção de um novo prédio, a adoção de outra igreja ou a reunião de uma importante meta financeira. Por quê? Por que eles saem quando as coisas parecem estar indo tão bem? 

Fizemos essas perguntas aos pastores. Eles nos deram uma ou mais dessas quatro respostas: 

  1. Os pastores estavam esgotados. A conquista consumiu cada grama de energia e mais um pouco. Eles estavam queimados e desgastados. Eles simplesmente não tinham energia para retomar um ministério mais normal.
  2. As famílias dos pastores sofreram. Como os pastores gastaram tanto tempo e energia no projeto bem-sucedido, suas famílias foram negligenciadas. Um pastor nos disse que teve que renunciar para salvar seu casamento. Ele havia negligenciado sua esposa. “Quando o programa de construção terminou, voltei para casa em horário normal”, refletiu. “Nós nos sentimos como estranhos na mesma casa.” 
  3. Os pastores perdem o zelo pelo ministério normal. “Levamos dois anos para finalmente adotar uma igreja perto de nós”, um pastor da Flórida compartilhou conosco. “O processo foi desafiador e emocionante. Eu não estava exausto, mas perdi minha motivação para fazer as coisas que um pastor deveria fazer. A pregação e o cuidado pastoral não me deram mais satisfação. ”
  4. Os pastores perdem sua conexão com a maioria da congregação. Um pastor em Indiana compartilhou conosco sua negligência com a maioria dos membros da igreja. Ele estava tão concentrado em um grande programa de construção que dedicou toda a atenção aos poucos membros que lideravam a captação de recursos e forneciam liderança para a construção da instalação. Ele se sentiu desconectado dos outros membros quando o projeto foi concluído e comemorado. 

Essas quatro razões devem servir como histórias de advertência para os pastores que lideram grandes esforços em suas igrejas. Não queime as duas pontas da vela para liderar o esforço. Não negligencie sua família. Não negligencie o ministério “normal”. E não esqueça que o resto da congregação não está diretamente envolvido no projeto.

Alguns pastores deixam suas igrejas após sucessos em grandes projetos. 

Mas a maioria desses pastores poderia ter feito as coisas de maneira diferente e ainda estar em suas igrejas.

por: Pr. Thom S. Rainer

traduzido e adaptado por: Pb Thiago D.F. Lima

Deixe sua opinião

).push({});