A Polícia Civil prendeu o chaveiro Charleston Souza de Lucena (na foto, o de camiseta vermelha), 38, e o vigia Isaías de Souza (foto), 48, sob a acusação de terem ajudado Wellington Menezes de Oliveira, 23, o atirador do Realengo, na compra de uma das duas armas com as quais ele matou 12 estudantes.

A Delegacia de Homicídios do Rio apresentou os dois à imprensa na manhã deste sábado (9). Cada um deles teria recebido de Oliveira R$ 30.

O dono da arma de calibre 32 recebeu R$ 200 de Oliveira. Ele não foi localizado porque teria sido morto por bandidos durante o Carnaval. Seu nome é Robson. A arma foi roubada em 1994 de um sítio.

A Justiça decretou a prisão preventiva de Lucena e Souza, que já tinham passagem pela polícia.

Lucena afirmou que Oliveira era calmo. “Ele era um cara pacato; disse que precisava da arma para sua segurança.”

Souza é pai de seis filhos e tem quatro enteados. Ele reconheceu ter parte da culpa pela morte dos estudantes.

“Não tenho culpa diretamente pelos assassinatos”, disse. “Espero que a justiça faça o que tem que fazer. Agora estou preso. Espero que a justiça seja cumprida”.

Paulopes / Portal Padom

Deixe sua opinião

Leia também!  Novas revelações reforçam que o assassino de alunos em Realengo seria ligado ao Islamismo. Globo o liga ao Cristianismo