Pastora pentecostal afirma que o Evangelho de João permite a legalização do aborto

Gabriela Guerreros é uma pastora pentecostal, mas sua fé não a impede de favorecer a descriminação do aborto. Na última terça-feira, ela apresentou suas razões no debate que aconteceu no Congresso da Argentina", onde ela afirmou que as mulheres pentecostais também abortam.

Enquanto em todo o mundo, continua o debate sobre a discriminação do aborto, na semana passada o Congresso da Argentina, teve um acalorado debate sobre este assunto.

Durante este debate, a pastora pentecostal argentina Gabriela Guerreros, mostrou sua postura a favor da interrupção voluntária da gravidez. Gabriela, teve sete minutos para expor sua experiencia e conhecimento sobre o tema, onde ela disse que tanto ela como a sua comunidade,  Dimensão da Fé, são a favor da descriminalização e legalização do aborto, afirmando que para isso tem apoio bíblico: “Estamos baseados em um texto do Evangelho de João que diz que a vida abundante veio para todos, e da leitura feminista que fazemos dos textos literários e sagrados, entendemos que as pessoas grávidas têm o direito de decidir sobre sua vida, porque isso também é praticar a vida abundante. Nosso papel como comunidade é acompanhar com respeito as decisões que as mulheres querem tomar com base nisso. Nós não queremos que o aborto clandestino seja a primeira causa de morte para as pessoas grávidas.”, disse ela afirmando que as mulheres: “- Pentecostais também abortam “.

Na semana passada expuseram diferentes referências religiosas e, a este respeito, Guerreros disse: “Reconhecemos que o mundo é hierárquico e patriarcal, para continuar a apoiá-lo, esse mundo precisa de ferramentas como estas leituras e teologias, que chamamos teologias da morte porque põe especialmente as mulheres no papel de submissas, do consorte e fazem más interpretações das leituras bíblicas “.

Ser pentecostal e marxista não é uma contradição para Guerreros. Em sua casa, a pastora caminha entre imagens de Jesus, o padre Mugica, as Mães da Praça de Maio e Karl Marx. “De uma perspectiva marxista somos nós que trazemos os trabalhadores para o mundo, então eu gostaria que fosse simplesmente uma questão religiosa onde a fé era colocada em debate, mas o que está em jogo são os dogmas e eles são as hierarquias que vêm para ecoar e multiplicar essa sociedade em que nos encontramos. E isso, fundamentalmente, é continuar promovendo as desigualdades de gênero”.

Guerreros sabe que a comunidade pentecostal que integra pensa como ela. Desde 2013 esses debates vêm ocorrendo, quando um grupo de pastores produziu um documento que incluía a assinatura de Guerreros: “Naquela época não havia pessoas que se recusassem a discutir, pelo contrário. Os que se abstiveram, o fizeram de um cargo responsável até poderem acessar bem a informação e fazer uma síntese do ponto de vista teológico, cultural e político “. A pastora explicou que “pouco a pouco o assunto foi instalado, discutimos e levamos à reflexão. Foi um processo de uma perspectiva teológica inclusiva, já que nos desconstruímos desde a educação e do que nos ensinaram sobre a formação teológica “.

“Queremos uma vida abundante e isso tem a ver com a aprovação deste projeto”, concluiu a única pastora pentecostal que falou em favor do casamento igualitário e abençoa os casais gays.

Trazendo Cristo para dentro da sua crise!

Portal Padom

Traduzido e adaptado de Telam

Deixe sua opinião