Noticias gospel Após 25 anos de ministério dentro da Igreja Metodista Unida, (UMC) a Rev Cynthia Meyer fez um polêmico anúncio no último domingo. Durante um sermão em sua igreja em Edgerton, Kansas, ela ‘saiu do armário’, assumindo sua homossexualidade.

“O Senhor me trouxe até aqui para partilhar a minha profunda verdade com você. É hora“, Meyer disse para sua congregação dia janeiro 3. “Eu tenho sido uma pastora UMC ordenada há 25 anos. Por fim eu estou escolhendo servir nesse papel com plena autenticidade, como o meu verdadeiro eu, como uma mulher que ama e compartilha minha vida com outra mulher “.

Meyer explicou que ela tinha permanecido só durante 20 anos de ministério, mas há alguns anos se apaixonou por sua parceira, Mary. “No meio de muita oração, finalmente Mary e eu decidimos que o Espírito Santo nos trouxe juntas; e que a nossa relação é uma parte sagrada do chamado de Deus em nossas vidas.”

A UMC atualmente não permite ministros homossexuais em seu rol de obreiros, por isso Meyer disse que seu relacionamento “vai parecer para alguns que está desafiando a política da Igreja“.

Falando a Christian Today, Meyer disse que tomar a decisão de sair não foi uma decisão fácil, até porque as repercussões que pode ter sobre a sua vocação como um ministro. “Eu estive pensando, refletindo e orando sobre meu papel na Igreja e que significa ser quem eu sou e formas de resolver o conflito entre partes da minha identidade. Há alguns meses atrás, isto tornou-se mais claro, e eu vejo como uma espécie de chamada na minha vida a falar publicamente sobre os dois: sobre quem eu sou como um ministro ordenado, e quem eu sou como uma mulher em um relacionamento amoroso comprometido com outra mulher “.

Meyer disse a publicação que tem recebido um incrível apoio de sua congregação, e que após o culto ela recebeu inúmeros abraços e palavras de afirmação. “A coisa que eu mais frequentemente ouvi foi: ‘Nós esperamos que você continue sendo nossa pastora. Queremos estar com vocês nisto‘. ”

Mas, apesar da calorosa recepção que ela recebeu de seus fiéis, no momento da entrevista Meyer ainda estava à espera de ouvir de seus superiores na Igreja, coisa que ela acredita que não vai ter tanta aprovação. Ela disse que a experiência até agora tinha sido “muito libertadora, agora sinto que posso ser totalmente honesta e totalmente eu mesmo em qualquer ambiente“, mas ela poderia enfrentar uma ação disciplinar, e até mesmo ser removido da liderança da Igreja.

“Eu ainda estou à espera de ouvir o bispo, a Conferência Metodista ou meu superintendente distrital, não fui contactada ainda”, disse ela. “Eu ainda sou o pastora de minha igreja e servindo nesse papel – e eu estou muito feliz em continuar fazendo isso -, mas há a possibilidade de que eu poderia ser suspensa….”

Em um comunicado Meyer afirma que passou do tempo da denominação mudar as regras da igreja e afirma que “Minha fé não é primaria na Igreja, é em Jesus’.


Portal Padom

Deixe sua opinião