Pastor usa bebidas alcoólicas para batismos e exorcismos – assista

Igreja usa bares para fundar congregações e realizar cultos regados a cerveja: “Criminalidade caiu”

Um pastor sul-africano da África do Sul usa álcool nos cultos de sua igreja para praticamente tudo, desde o batismo até o exorcismo. Tsietsi Makiti, do Ministério Internacional da Igreja Gabola, começou a fazer cultos em um bar no início deste ano e, diz ele, já reuni mais de 500 membros. Sua página no Facebook tem várias fotografias do líder com os fiéis usando bebidas alcoólicas.

O sucesso relativo da igreja chamou a atenção da mídia.

Em uma entrevista recente ao Daily Sun, ele explicou que a oração é “consagração” de bebidas no início do serviço e não vê problemas que as pessoas bebem álcool.

“Se Deus estivesse em nossos bares, veríamos o crime ser reduzido, o amor e o respeito sendo divulgados. As pessoas que bebem cerveja e whisky são mais felizes e mais pacíficas. Isso significa que eles estão vivendo sob a sombra de Deus “, justifica o líder religioso de 52 anos. Outro dos seus argumentos é que o primeiro milagre de Jesus era transformar a água em vinho e isso trouxe alegria a todos, sendo este um dos aspectos da mensagem cristã.

O termo “gabola” que dá nome à igreja não é por acaso.

É uma expressão no dialeto Tsawana que significa “beber“. É comum nos cultos que os membros bebam cerveja e outras bebidas enquanto dizem “amém“.

O dono do bar, Freddy Mathebula (53), disse que a igreja acomodou os rejeitados das comunidades.

“Desde que a igreja começou, o crime foi reduzido e nós recebemos uma ótima resposta da comunidade”.

“A igreja me faz sentir em casa. Não consigo ver-me ser membro de nenhuma outra igreja “, disse com orgulho, Jeffrey Mokoena (52), ao jornal DailySun.

Michael Motsepe de 29 anos disse: “Como jovem que gosta de sua cerveja, eu me sinto desconfortável em outras igrejas. Mas quando estou aqui eu posso beber. Deus está em toda parte, mesmo nos bares”.

Thoko Mkhwanazi-Xaluva, presidente da Comissão para a Promoção e Proteção dos Direitos, disse que o bem da iniciativa é que Deus está em toda parte.

“As pessoas podem ser convertidas em qualquer lugar, nos trens, nas fileiras de táxis, espaços públicos e até mesmo nas tabernas”.

Ele disse que pode haver um problema se o pastor ser dono dor e dirige a igreja também. “Isso pode ser visto como uma estratégia para maximizar seus lucros“.

Portal Padom

Deixe sua opinião