Noticias gospel – O pastor e deputado federal pelo PSC –PR Hidekazu Takayama, fez uma declaração polêmica  ontem (24) na Comissão Especial da Câmara dos Deputados em Brasília. O pastor afirmou que homossexuais deveriam ser presos porque, segundo ele, são eles que se matam durante “briguinhas íntimas”.

takayamautiA declaração de Takayama revoltou a comunidade que defende o direito dos gays, e os mesmo já planejam impetrar no Supremo Tribunal Federal uma ação coletiva contra o parlamentar.

Takayama discutia na comissão o assunto sobre o conceito de família, e junto com parlamentares da bancada evangélica, defendia o conceito que foi aprovado na comissão onde estabeleceu que conceito familiar é apenas a união entre homem e mulher.

O debate na comissão teve os nervos aflorados, defensores dos direitos LGBT participaram das discussões e tiveram apoio dos parlamentares do PT, PCdoB e PTN que tentaram adiar a votação, apresentando uma série de requerimentos, porém todos foram derrubados.

O pastor Takayama foi mais enfático ao desafiar qualquer jornalista investigativo a verificar os quase 4.000 casos de mortes de homossexuais. Quantos foram praticados por católicos e evangélicos? Nenhum, nenhum”, disse.

Ainda debochou do movimento dizendo que “se continuar com esse tipo de argumento que dois homens e duas mulheres formam uma família, daqui a uns dias vai ter um homem com uma vaca e vai virar avacalhação”.

O deputado defensor dos direitos dos homossexuais, Jean Wyllys PSOL – RJ disse que entrara com uma ação no STF para tentar invalidar o que chamou de “lixo homofóbico” aprovado ontem na comissão da Câmara.

Os holofotes dos movimentos dos homossexuais parece saírem de Malafaia e Feliciano no momento, e agora miram no pastor Takayama.

Portal Padom

Deixe sua opinião