O pastor Phil Seely da Igreja Batista de Moncton, Canadá, publicou neste sábado(29/08) um artigo no site Times Transcript contra a carreira do cantor Marilyn Manson acusando-o de pregar raiva, rejeição e alienação de maneira errada para aqueles que se identificam com ele. Lembrando que Manson se apresentará em Moncton dia 26 do mês que vem .
Segue abaixo a tradução:

*****

Não há dúvida de que o roqueiro Marilyn Manson é controverso, que é como ele faz seus milhões. Em minha opinião, no entanto, têm ocorrido comentários injustos de todos os lados, especialmente contra os poucos cristãos com coragem suficiente para falar.
Eu teria que concordar com Alan Cochrane em dois pontos base em sua coluna “Vistas da Cidade”: A música não é responsável por todos os males da sociedade, e é responsabilidade dos pais regular as influências sobre seus filhos.
Ao mesmo tempo, todos os artistas musicais não são inocente entretenimento. O trabalho da Cidade de Moncton é preencher lugares no Moncton Coliseum, mas certamente há disponível alguns artistas menos ofensivos.
A música é um meio poderoso que pode ajudar a alterar o comportamento. Combinado com a pressão social gerada a um concerto, e a idade média de 15 anos, a mensagem de Manson é motivo de preocupação.
Você pode cautelosamente olhar suas letras em sites como o sing365.com. Se for isso que você quer de sua adolescência, e comprar seus bilhetes agora. Enquanto isso compre uma camisa de Manson escrita “Mate Seus Pais” para ajudá-los passar por essa difícil fase da adolescência.
Deixando de lado as extravagâncias do anticristão Manson e o ato de rasgar Bíblias no palco, o popular site de música chartattack.com, escreve que suas palhaçadas no palco incluem “corta-se com garrafas quebradas, beber um balde cheio de cuspo de fãs e simulando sexo oral com membros da banda.”
Talvez eu seja apenas ingênuo e antiquado, mas isso pode contribuir para uma comunidade saudável, pode?
Todos sabem que muitas vezes os jovens imitam celebridades; por que [dessa vez] deveria ser diferente? Este é um homem que se gabava na Spin Magazine sobre entrar em um cemitério e fumar ossos humanos roubados até adoecer!
A revista também escreveu, “Manson… Não vê nenhuma divisão entre os personagens que cria para o entretenimento e estilo de vida que deveria vir com eles, quando Manson diz às crianças que ele gosta de comer drogas, ele sente uma obrigação social em fazer exatamente como ele diz. ”
Infelizmente, as crianças recebem a mensagem.
Muitas das músicas de Manson são desumanas para as mulheres e uma das faixas em seu mais recente álbum é “Bonita Como Uma Suástica.” Gostaria de pensar que esse tipo de ódio não é bem-vindo em Moncton, mesmo em nome do entretenimento. A questão é, onde Moncton vai traçar a linha base aceitável para uma comunidade de decência?
Você pode imaginar a música de Manson sendo desencadeada contra Maomé e o Alcorão? Haveria pânico entre os produtores e promotores. Os editores em todo o mundo se recusariam a republicar as letras de ofensa. Mas, enquanto o alvo é Cristo, mulheres e judeus, tudo bem?
Muitas pessoas pensam da música como simplesmente melodias que eles gostam ou não gostam. Manson prega raiva, rejeição e alienação, o que é realmente errado é a forma como ele diz aqueles que se identificam com ele, para lidar com o que eles sentem.
A parte triste da música de Manson (música mais secular) é que ele identifica o problema sem dar qualquer esperança ou solução. “Morte primeiro as damas, depois aos cavalheiros… Verdadeiramente – suicida” (Arma-geddon ***-, The High End of Low).
É onde a minha mensagem é radicalmente diferente. Sim, há injustiça neste mundo, e sim a rejeição dói e a deslealdade separa… mas há esperança para uma forma de vida melhor. Há alguém que te ama incondicionalmente e ele é o Deus que criou você!
É a própria raiva e revolta que Manson prega que só amplifica a dor. É por isso que o suicídio é a solução final – “Eu sou apenas um menino, bancando o rei do suicídio” (de “Mechanical Animals”).
Deus não quer a morte e a dor em lugar de você, ele quer a vida. Não há espaço nestas linhas para lidar com isso completamente, mas as respostas estão lá na Bíblia, se você deixar Deus mostrá-las a você.
De acordo com a National Review, o simbolismo do show de Manson é “uma celebração de dor e de perversidade.” Em contraste, a mensagem cristã é de amor, perdão e se reconciliar com o nosso Criador.
É tudo uma questão de qual mensagem você escolhe acreditar.
Pastor Phil Seely administra a Caridade Bíblia da Igreja Batista em Moncton.

Fonte: manson.com.br/padom

Deixe sua opinião