Um tribunal na Argélia manteve uma multa de 100.000 dinares (cerca de 3.200,00 reais) contra um pastor que foi pego transportando Bíblias em seu carro em março de 2015.

Pastor Nouredine Belabed foi inicialmente condenado a dois anos de prisão e condenado a pagar a multa de 50.000 dinares (cerca de 1.600,00) em 2015. A sentença foi reduzida para uma pena de prisão de três meses em 8 de março deste ano, mas a multa foi dobrada.

De acordo com a Morning Star News, Belabed recorreu da multa, mas o recurso foi rejeitado por um tribunal na cidade de Tiaret recentemente.

Belabed, 37, foi pego junto com seu companheiro de 26 anos, Khalil, transportando 56 livros, que supostamente incluíam as Bíblias, um livro sobre a história da igreja, um comentário bíblico, o Evangelho de Mateus e alguns panfletos.

O pastor disse aos oficiais que pretendia distribuir gratuitamente a literatura para outros cristãos ou outras pessoas interessadas em conhecer a Cristo.

Em 2017, ele foi condenado por um tribunal a dois anos de prisão e foi obrigado a pagar uma multa de 50.000 dinares (US $ 434).

“Nós dois fomos condenados por posse e distribuição de artigos cristãos para desestabilizar e minar a fé dos muçulmanos, segundo o artigo 02/11 da Lei 03/06”, disse Belabed ao Morning Star News.

Durante seu apelo, Belabed explicou ao juiz que ele pretendia distribuir as Bíblias apenas aos membros da comunidade cristã em Tiaret. “Eu não os dei aos outros nem tentei evangelizar ninguém”, ele insistiu.

O juiz considerou-o culpado de “minar a fé de um muçulmano” em 16 de maio. O pastor disse que decidiu não prosseguir com o caso.

Leia também!  Pastor metodista defende contínua promoção de valores em prol da criança

“Eu estou cansado. A polícia continua nos observando, minha esposa e eu. Eles assistem todos os nossos movimentos. Eu não quero infligir mais à minha família do que isso; eu decido escolher pagar a multa”, disse ele.

No início deste mês, outro homem cristão foi multado depois de ser pego importando literatura cristã e chaveiros em forma de cruz para o país.

Idir Hamdad foi considerado culpado de importar itens não autorizados e condenado a pagar uma multa de 20.000 dinares (cerca de 650,00 reais). Ele foi inicialmente sentenciado a seis meses de prisão, mas o tribunal rescindiu a sentença de prisão enquanto mantinha a multa.

Seu advogado, Sadek Nadjib, descreveu a sentença como “ridícula”, observando que os itens não violavam a lei alfandegária argelina.

A lei, promulgada em 2006, determina cinco anos e uma multa de 500.000 a 1 milhão de dinares (US $ 4.343 a US $ 8.687) para qualquer um que “incite, restrinja ou utilize meios de sedução para converter um muçulmano a outra religião”.

O grupo de vigilância de perseguições, Portas Abertas, classificou a Argélia na lista de vigilância do mundo de 2018 como a 42ª pior nação quando se trata de perseguição de cristãos.

Portal Padom

Deixe sua opinião