Conhecido no ambiente da seleção brasileira de futebol há pelo menos dez anos, o pastor Anselmo Alves não viajará para a Olimpíada de Londres. Segundo o religioso, que ficou marcado principalmente no período de Dunga como treinador, sua entrada no hotel do Brasil não é mais liberada.

“Não tenho mais a permissão de fazer trabalhos aí [na seleção] e nenhum atleta me convidou. Então vou ficar por aqui mesmo”, revelou o pastor, que vive em Curitiba, por telefone. Essa é a primeira vez que ele fica ausente de um grande torneio desde 2002.

Já a CBF informou que não proíbe a entrada de ninguém na concentração durante a viagem pelo Reino Unido. Na última terça-feira, por exemplo, familiares do volante Sandro estiveram no hotel em St. Albans, conversaram com boa parte do elenco e tiraram fotos.

Quando assumiu o cargo de técnico da seleção, Mano Menezes avisou que não aprovaria reuniões religiosas na concentração. Mesmo assim, o pastor Anselmo esteve na Argentina na Copa América de 2011, a convite do capitão Lúcio. O zagueiro era o último remanescente da turma próxima ao evangélico e o conhecia desde o Mundial de 2002, na conquista do penta.

Para seguir a recomendação de Mano, Lúcio conversou e rezou com o pastor no restaurante do hotel argentino, ou seja, um local público. O beque de 34 bancava as viagens de seu amigo, e outros atletas passaram a ajudá-lo.

“Não é só um suporte espiritual, mas sim emocional, psicológico, de problemas familiares”, comentou Anselmo, sobre o apoio que oferece.

Os encontros religiosos no ambiente da equipe nacional viraram um tema polêmico durante a era Dunga, que tinha no seu auxiliar Jorginho um dos maiores expoentes. Os pastores tinham livre acesso aos bastidores. Existia um espaço reservado só para isso, e mesmo jogadores que não eram evangélicos participavam.

 

Deixe sua opinião

Leia também!  Atuação de Kaká empolga a Espanha, e jornais falam em 'ressurreição' do meia