O pastor Oscar Bougardt, líder da Igreja da Cidade do Cabo, foi sentenciado a 30 dias de prisão, suspenso por cinco anos, por desacato ao tribunal, depois que desconsiderou uma ordem judicial que o proibia de fazer comentários anti-gay.

O juiz Lee Bozalek, no Tribunal da Igualdade na Cidade do Cabo, na sexta-feira, 18, disse que os comentários de Bougardt defendiam o ódio e eram claramente discriminatórios.

Bougardt havia chegado em um acordo com a Comissão de Direitos Humanos da África do Sul no ano de 2014, após declarações anti-homossexuais. Ele concordou em parar de fazer comentários odiosos sobre a comunidade LGBTQ.

Ele, no entanto, continuou referindo-se aos gays como “pervertidos”.

Ele também defendeu a criminalização, dizendo que eles deveriam “lidar com eles como fazem na Nigéria”.

Bougardt também declarou que a seca que afeta a Cidade do Cabo deve ser atribuída à “maldade, a homossexualidade e aos líderes de igrejas que não pregam a Bíblia e a abominação sodomita”.

Em janeiro de 2017, Bougardt disse ao News24 que, como o pastor americano anti-gay Steven Anderson, ele também acredita que a homossexualidade é um pecado.

“Por que devemos ser tolerantes com seu estilo de vida criminoso? Noventa e nove por cento dos pedófilos derivam da homossexualidade.”

“Eu estou dizendo isso porque está provado que 99% dos pedófilos têm antecedentes homossexuais. Eles estão culpando seu estilo de vida anterior pelo que aconteceu. Vá e leia sobre isso.”

O requerente a Comissão dos Direitos Humanos, pediu que Bougardt seja condenado a 30 dias de prisão e multado em 500 mil rands, cerca de 140 mil reais.

Bozalek disse que Bougardt ocupou uma posição de autoridade em sua comunidade e foi educado o suficiente para saber que haveria consequências legais para seu comportamento.

Portal Padom

Com informações de news24

Deixe sua opinião

WhatsApp
Entre e receba as notícias e artigos do dia