No contexto da série de terremotos que atacaram o México recentemente, uma gravação do jornal ‘El Observador’, no qual o Papa Francisco explica o motivo pelo qual o diabo castiga o México, tornou-se viral nas redes sociais.

O Papa Francisco é um dos líderes religiosos mais seguidos do mundo. No entanto, o número de heresias e inconsistências que ele ensina em muitas das suas opiniões é evidente. Neste vídeo, ele dá a entender que o México é alvo de desastres porque o diabo esta bravo com o país.

Na entrevista foi registrada há vários meses, mas que se tornou viral ultimamente devido ao terremoto de magnitude 7.1 que, no dia 19 de setembro, sacudiu a parte central do país latino-americano, matando mais de 300 pessoas.

De acordo com o comentário do Pontífice, o México é vítima de tantas catástrofes porque tem a Virgem de Guadalupe: “Eu acho que o diabo castiga o México com muita ira porque o diabo não perdoa o México de que ela [a Virgem de Guadalupe] tem mostrado aqui o seu filho. É uma interpretação minha, isto é, o México é privilegiado no martírio por ter reconhecido e defendido sua mãe”.

“Vocês encontrarão católicos mexicanos, não-católicos, ateus, mas todos os Guadalupeanos, isto é, todos se sentem filhos daquela que trouxe o Salvador, que destruiu o diabo. Acho que o diabo passou a cédula histórica para o México, e é por isso que todas essas coisas “, acrescentou o Papa Francisco no trecho lançado por ‘The Observer’ no Facebook.

O que isso diz neste vídeo, você deve vê-lo para acreditar nisso. Incrível ignorância do líder do catolicismo romano:

Nossa Senhora de Guadalupe (México) e o Papa 

Nossa Senhora de Guadalupe[nota 1] (em espanhol: Nuestra Señora de Guadalupe, em náuatle: Tonantzin Coatlaxopeuh)[5] é a denominação de uma aparição mariana da Igreja Católica de origem mexicana, cuja imagem tem como seu principal local de culto a Basílica de Guadalupe, localizada no sopé do monte Tepeyac, ao norte da Cidade do México.

De acordo com a tradição oral mexicana,[6] e segundo textos de documentos históricos do Vaticano e outros encontrados ao redor do mundo em diferentes arquivos, acredita-se que a Virgem Maria, apareceu em quatro ocasiões ao índio são Juan Diego Cuauhtlatoatzin no monte Tepeyac, e em uma quinta ocasião a Juan Bernardino, tio de Juan Diego. O relato guadalupano conhecido como Nican Mopohua narra que na primeira aparição, a Virgem ordenou a Juan Diego que se apresentasse diante do bispo do México, Juan de Zumárraga. Juan Diego na última aparição da Virgem, e por ordem desta, levou em seu ayate algumas flores que cortou no Tepeyac. Juan Diego desdobrou sua tilma diante do bispo Juan de Zumárraga, deixando a descobrir a imagem da Virgem Maria, morena e com traços mestiços.

Segundo o Nican Mopohua, as mariofanias aconteceram no ano de 1531, ocorrendo pela última vez em 12 de dezembro do mesmo ano. A fonte mais importante que as relatou foi o próprio Juan Diego que contou tudo o que havia acontecido. Posteriormente esta tradição oral foi recolhida em um escrito no idioma náuatle mas escrita com caracteres latinos (técnica que nenhum espanhol sabia fazer e que só muito raramente usavam os indígenas); este escrito é chamado de Nican Mopohua, e é atribuído ao indígena Antonio Valeriano (1522-1605). Posteriormente em 1648 foi publicado o livro Imagen de la Virgen María Madre de Dios de Dios de Guadalupe (título traduzido para o português como: Imagem da Virgem Maria Mãe de Deus de Guadalupe) pelo presbítero Miguel Sánchez, contribuindo para recompilar tudo o que se sabia na época sobre a devoção guadalupana. Segundo diversos investigadores, o culto guadalupano é uma das crenças mais historicamente apegadas ao atual México e parte de sua identidade,[7][8][9] e tem estado presente com o desenvolvimento do país desde o século XVI[10] dentro de seus processos sociais mais importantes como na Independência do México, na Reforma, na Revolução Mexicana[9] e na sociedade mexicana atual, onde conta com milhões de fiéis, e que alguns deles professam o guadalupanismo sem serem necessariamente católicos.[11]

 

Deixe sua opinião