JUNTE-SE AO NOSSO GRUPO no Telegram ou WhatsApp. Oferecemos o que há de mais relevante em notícias e conteúdo cristão 🤗

Por alguma razão inexplicável, um alvoroço na internet explodiu nas mídias sociais depois que foi anunciado que o Google Maps havia removido a Palestina. Uma petição online recebeu mais de 800.000 assinaturas, embora o Google Maps, como um retrato preciso da geografia e da história, nunca tenha tido um país chamado ‘Palestina’ em nenhum de seus mapas.

A campanha foi lançada na quarta-feira em uma conta no Instagram chamada “Astagfirvlah”, também grafada como “Astagfirollah”, que é um conceito no Islã. Traduzido literalmente do árabe, significa “peço perdão a Allah.” 

O post inicialmente acusou o Google e a Apple de tentar obliterar a identidade palestina e mudar fatos para satisfazer os objetivos americanos e israelenses. Desde então, foi atualizado para refletir que nenhuma empresa jamais reconheceu a Palestina como uma localização geográfica ou entidade política com fronteiras reais.

Foi feita uma chamada para assinar uma petição publicada no Change.org, afirmando:

A Palestina não aparece no Google Maps. Por que não? Israel, estabelecido em terras palestinas, é claramente designado. Mas não há menção à Palestina. Segundo o Google, a Palestina não existe. A omissão da Palestina é um insulto grave ao povo da Palestina e mina os esforços de milhões de pessoas envolvidas na campanha para garantir a independência e a liberdade palestinas da ocupação e opressão israelenses. Intencional ou não, o Google está se tornando cúmplice da limpeza étnica da Palestina pelo governo de Israel.”

Eyad Rifai, chefe do Centro Social Sada, que monitora as violações das mídias sociais contra o conteúdo palestino, fez uma declaração à The Media Line, confirmando que a Palestina não foi identificada como tal nesses mapas, mas sim como a Cisjordânia e a Faixa de Gaza. Rifai observou que acrescentou que, desde o início de 2020, o Google começou a remover os nomes de cidades e estradas em áreas sob a jurisdição da Autoridade Palestina, mantendo as estradas israelenses. Rifai afirmou que os palestinos que seguiram instruções baseadas nos mapas árabes podem entrar em um assentamento israelense e ficar em perigo. Embora se saiba que isso acontece, a lei israelense impõe o direito dos árabes de entrar nos assentamentos israelenses, enquanto proíbe os judeus de entrar em cidades árabes. Os judeus são rotineiramente atacados se entrarem em cidades árabes.

Estamos trabalhando e enviando cartas a várias partes para incluir a Palestina de acordo com as leis das Nações Unidas“, afirmou Rifai. “Após o anúncio do chamado acordo do século [em janeiro de 2020], bem como o [subsequente] plano israelense de anexar partes da Cisjordânia, os ativistas começaram a destacar questões de não reconhecer a Palestina como um país em mapas oficiais pelo Google e outros. “

Em 2016, quando a questão da Palestina foi levantada pela primeira vez com o Google, uma porta-voz do Google disse ao Guardian: “Nunca houve um rótulo de ‘Palestina’ no Google Maps , no entanto, descobrimos um bug que removeu os rótulos de ‘Cisjordânia’ e ‘Faixa de Gaza’. Estamos trabalhando rapidamente para trazer esses rótulos de volta à área.

 “O que usa de engano não ficará dentro da minha casa; o que profere mentiras não estará firme perante os meus olhos.” – Salmos 101:7

Deixe sua opinião

JUNTE-SE AO NOSSO GRUPO no Telegram ou WhatsApp. Oferecemos o que há de mais relevante em notícias e conteúdo cristão 🤗