Pai de bebê morto após assalto recebe alta em Osasco

0
124

O pai da criança de 1 ano e 3 meses que morreu depois de ter sido baleada na cabeça durante uma tentativa de assalto, na última quarta-feira, em Osasco, na Grande São Paulo, recebeu alta dos médicos no Hospital Municipal Central Antônio Giglio, onde estava internado há dois dias. De acordo com informações da Prefeitura do Município de Osasco, apesar da liberação, James Ferreira da Silva deve retornar ao hospital nos próximos dias para a realização de exames. O pai da criança, que é evangélico, voltava para a casa da igreja com o filho no colo quando foi surpreendido por um assaltante na última quarta-feira. Ele tentou fugir porque não teria dinheiro, e o homem atirou na direção dos dois.
James Ferreira da Silva foi atingido por disparos, mas não corria riscos graves de saúde. O bebê, porém, recebeu dois tiros na cabeça. A criança foi socorrida e ficou internada no Hospital Regional de Osasco, mas morreu na manhã desta sexta-feira.

Nova suspeita

Bebê morto no colo do pai pode ter sido vítima de traficantes
O bebê Daniel Carobrezzi da Silva, de 1 ano e 3 meses, pode não ter sido baleado por um assaltante. A polícia começou a investigar a possibilidade de que o crime tenha sido encomendado. Segundo o delegado João Rodrigues Marques, do 8º Distrito Policial de Osasco, na Grande São Paulo, uma testemunha, que prestou depoimento nesta sexta, contou à polícia que o pai do bebê, o barman James Ferreira da Silva, de 25 anos, era usuário de droga. Por conta desta informação, prestada por um comerciante a quem James devia dinheiro, a polícia abre a possibilidade de que o crime tenha sido um acerto de contas e não um roubo seguido de morte (latrocínio).
Este comerciante tinha R$ 430 para receber do James, o pai da criança. Ele nos contou que o rapaz era viciado em entorpecente e pode não ter sido roubado. Isso muda o rumo das investigações. James pode ter sido vítima de um acerto de contas – disse Marques.
O delegado acredita que o barman poderá ajudar a polícia a descobrir quem matou a criança.
– Espero que no depoimento ele seja sincero e nos conte a verdade – afirmou.
O delegado disse que James frequentava a igreja evangélica, possivelmente, como apoio para se livrar das drogas.
Moradores que escutaram os disparos viram um Celta preto deixando o local em alta velocidade. A polícia acredita que a pessoa tenha fugido nesse carro, onde estaria um comparsa. A mulher de James estava no trabalho no momento do crime. Ela deve depor também na semana que vem.

Terra / O Globo / Padom

Deixe sua opinião

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui