JUNTE-SE AO NOSSO GRUPO no Telegram ou WhatsApp. Oferecemos o que há de mais relevante em notícias e conteúdo cristão 🤗

Na próxima semana, a cúpula histórica entre o presidente Donald Trump e a norte-coreana Kim Jong Un está prevista para ocorrer em Cingapura.

Enquanto o mundo aguarda qualquer resultado positivo, provavelmente não há ninguém olhando mais de perto do que o povo da Coreia do Norte.

CBN News falou com vários desertores da Coreia do Norte para saber a sua opinião sobre a próxima reunião.

Quando Heeon-A Ji viu o presidente sul-coreano Moon Jae-in apertar a mão de Kim durante a cúpula no dia 27 de abril, ela pensou em todas as pessoas que foram mortas nas mãos do ditador norte-coreano.

“Por 70 anos, a partir de 9 de setembro de 1948, quando o governo norte-coreano foi formado até hoje, um número incontável de pessoas foram mortas, morreram de fome”, disse Ji. “O fato de que o genocídio ocorreu, que a violação grosseira dos direitos humanos ocorreu, deve ser incluído em suas conversas de cúpula.”

Ji foi enviado de volta à Coreia do Norte três vezes depois de fugir para a China.

Ela conta que viu cães da prisão comendo cadáveres em seu campo de prisioneiros de reforma trabalhista, além disso ela conta que foi obrigada juntamente com outros prisioneiros a comerem grama e casca de árvore apenas para sobreviver.

Ela descreveu como as mulheres norte-coreanas que engravidaram na China foram forçadas a fazer abortos.

“As mulheres grávidas foram forçadas a trabalhar duro durante todo o dia”, disse ela. “À noite, ouvíamos gritos de mães grávidas e bebês morriam sem nunca ver suas mães.”

“A Coréia do Norte não permite bebês mestiços”, ela disse.

Ji disse que a Coréia do Norte é “uma prisão aterrorizante e que os Kims estão realizando um massacre e é preciso um milagre para sobreviver lá”.

Ela criticou o governo chinês por enviar os norte-coreanos de volta ao regime e pediu ao governo chinês que pare de repatriar as pessoas de volta ao Reino de Eremita, dizendo que elas sabem o que acontecerá quando chegarem lá.

Outro desertor, Bo Bin Kim, disse à CBN News: “Minha miséria não acabou em ser vendida para tráfico de seres humanos. Fui preso pelas autoridades chinesas e repatriado à força. Depois que voltei para a Coréia do Norte, fui brutalizada por Oficiais do Estado norte-coreano, torturados. Fui obrigado a fazer um aborto sem o uso de anestésicos “.

Os desertores dizem que as condições só pioraram com os controles de fronteira mais apertados e punição severa para aqueles que tentam escapar.

Kyung Bae Ju disse: “Este regime assassino de gângsteres deve estar fora do poder e outro líder deve chegar ao poder respeitando a liberdade e os direitos do povo e não considera Deus como o inimigo do Estado”.

Por tudo isso, no entanto, esses desertores disseram que a mudança está ocorrendo.

Eles disseram que mais norte-coreanos estão se voltando para Cristo graças a igrejas subterrâneas.

“O Evangelho está sendo compartilhado e Jesus está trabalhando entre as pessoas na Coreia do Norte e Deus está fazendo grandes milagres dentro do país agora”, disse Ju.

O presidente Trump indicou que vê os direitos humanos como uma grande preocupação, mas falta saber se isso será pauta no encontro em Singapura.

Portal Padom

com informações cbn

Deixe sua opinião