Melissa não olhou para sua deficiência, mas colocou sua fé em Deus e o milagre acontecesse

Nascida com uma deficiência grave, ninguém achava que ela seria capaz de se sentar, muito menos se formar na faculdade, casar e ter filhos.

Mas a forte fé de Melissa Davert em Deus e seus planos para a vida dela provaram que todos os que duvidavam estavam errados.

“Se eu começasse a sentir pena de mim mesma, meus pais diriam: ‘Olha, há uma razão e um propósito para sua deficiência'”, diz Melissa em um vídeo no Facebook. “‘Você pode não saber o que é agora, mas você vai um dia. Você só precisa ter fé e confiança em Deus e em Seu plano. ‘”

Melissa cresceu em uma casa cristã em Bay City, Michigan, uma das sete crianças. Ela nasceu com uma deficiência conhecida como osteogênese imperfeita ou doença dos ossos quebradiços. Isso resulta em ossos que quebram facilmente, baixa altura, articulações soltas, perda auditiva, problemas cardíacos e respiratórios e problemas com os dentes.

Os médicos prepararam os pais de Melissa para a possibilidade de ela nunca se sentar sozinha. Mas, para sua surpresa, Melissa não apenas sentou-se, encontrou um skate e usou os braços para se mover por toda a casa antes de conseguir uma cadeira de rodas.

Meus pais não estabeleceram limites para mim e eu também não estabeleci nenhum limite”, observa ela no vídeo. “Toda a minha família fez com que eu crescesse autodeterminada, para não sentir pena de mim mesma, com um bom senso de humor e forte fé.”

Quando criança, ela ouviu falar de Deus, mas uma noite ela o experimentou de uma maneira pessoal.

“Uma noite eu tive um osso quebrado e estava deitada na cama e orei a Deus por favor ajude-o a ser melhor. De manhã foi (melhor). Foi muito melhor. A partir daí percebi que Ele está aqui comigo. Os tempos serão difíceis, mas Ele estará aqui comigo “.

Melissa se formou na Bay City Central High School e depois estudou na Northwood University, onde se formou em administração de empresas.

Mais tarde, como defensora dos deficientes, ela recebeu um programa de TV semanal, Access Mid-Michigan, que foi ao ar na televisão comunitária. Ela recebeu o programa enquanto atuava como diretora do Center for Independent Living em Midland, cargo que ocupou por mais de 10 anos.

Ela conheceu e se casou com seu marido, Ken Davert, em 1992. Ken nasceu com paralisia cerebral.

Eles nunca planejaram ter filhos porque Melissa pensou que não poderia conceber. Então eles ficaram surpresos e animados ao descobrir que ela estava grávida, mas perderam o bebê em 12 semanas por razões desconhecidas.

Eles decidiram tentar novamente. “Na segunda vez descobrimos que teríamos gêmeos”, diz ela.

Os médicos de Melissa, no entanto, estavam menos entusiasmados. Os livros de medicina não tinham casos em que uma mulher do tamanho de Melissa – com cerca de 89 centímetros – já tivesse gerado gêmeos. Uma preocupação significativa era que os gêmeos poderiam crescer no coração e nos pulmões de Melissa, fazendo com que ela sufocasse.

Vários médicos propuseram que Melissa abortasse um dos bebês. Eles sugeriram um teste para determinar se um dos bebês tinha a deficiência de Melissa. Eles o aconselharam a abortar (matar) o bebê com a deficiência.

“Não só foi horrível para sequer pensar em fazer uma decisão como essa … foi um insulto para mim que iria tomar uma decisão com base em um ou o outro. Se tinha uma deficiência porque eu tinha uma deficiência toda a minha vida e eu não trocaria minha vida com ninguém“, disse ela.

“Precisávamos de algo além da ciência para ajudar”, acrescentou ela. Esse “algo” extraordinário foi sua profunda fé em Deus.

Melissa e Ken visitaram um especialista em medicina fetal materna pró-vida no Covenant Health Care em Saginaw, Michigan, Dr. Daniel Wechter.

Dr. Wechter realizou testes em Melissa e determinou que ambos os bebês carregavam a mesma deficiência que Melissa.

Mas enquanto eles consideravam em oração as opções, Melissa concluiu: “Quem mais cuidaria melhor deles do que eu poderia?” Afinal, ela era uma especialista na condição.

Melissa decidiu que andaria o mais que pudesse durante a gravidez, na esperança de que os bebês crescessem em vez de entrarem em seus pulmões.

“Isso é o que aconteceu – nós deixamos a gravidade fazer o seu trabalho.”

Após 32 semanas, Melissa deu à luz aos gêmeos: Michaela e Austin.

“Foi a maior alegria que já senti, sabendo que eles estavam no meu ventre e então eles estavam aqui, para começar a vida“, disse ela.

Ken assistiu o nascimento. “Foi tão incrível estar na sala de parto e ouvi-los chorar quando eles saíram e isso aconteceu tão rápido. Foi o melhor dia da minha vida “, disse.

Atualmente, Austin e Michaela, 17, estão matriculados na Universidade de Davenport. Michaela está estudando marketing e também hospeda seu próprio canal no YouTube, onde discute maquiagem e moda. Ela é seguida por quase 30.000 pessoas.

Austin tem interesse em medicina e está estudando gestão de informação em saúde e voluntariado em um hospital.

Somos tão abençoados”, disse Ken. “Não tenha pena de nós. Nós temos uma ótima vida. Toda vida é importante. “

“Somos gratos pelas coisas que o Senhor nos deu.”

Amazing Story of the Davert Family, Bay City, Mich

Have you heard the amazing story of the Davert family of Bay City? This video shares their incredible story of faith, trust in God and love for life.The Davert’s will speak at the upcoming Disability Awareness Conference in Saginaw on Wednesday, Aug. 1. Learn more about the conference: http://bit.ly/2mmXx4m

Posted by Catholic Diocese of Saginaw on Monday, July 16, 2018

Portal Padom

Deixe sua opinião