A Organização Mundial de Saúde diz que alguns jogadores obsessivos de vídeo game, podem realmente ter um vício.

Em sua última revisão de um manual de classificação de doenças, a agência de saúde da ONU informou na segunda-feira que o jogo compulsivo de videogames agora se qualifica como uma condição de saúde mental. A declaração confirmou os temores de alguns pais, mas levou os críticos a alertar que pode haver risco de estigmatizar muitos jovens jogadores.

A OMS disse que a inclusão do “distúrbio do jogo” como uma condição separada ajudará os governos, as famílias e os profissionais de saúde a serem mais vigilantes e preparados para identificar os riscos. A agência e outros especialistas foram rápidos em observar que os casos da doença ainda são muito raros, com não mais que 3% de todos os jogadores que se acredita serem afetados.

O Dr. Shekhar Saxena, diretor do departamento de saúde mental e abuso de substâncias da OMS, disse que a agência aceitou a proposta de que o Distúrbio do Jogos deveria ser listado como um novo problema baseado em evidências científicas, além de “a necessidade e a demanda por tratamento em grande parte do mundo“.

A Dra. Joan Harvey, porta-voz da Sociedade Britânica de Psicologia, alertou que a nova designação pode causar preocupação desnecessária entre os pais.

“As pessoas precisam entender que isso não significa que toda criança que passa horas em seu quarto jogando jogos é um viciado, caso contrário, os médicos vão ser inundados com pedidos de ajuda“, disse ela.

Outros saudaram a nova classificação da OMS, afirmando que era fundamental identificar pessoas envolvidas em videogames rapidamente, porque geralmente são adolescentes ou jovens adultos que não procuram ajuda por conta própria.

Nós nos deparamos com pais que estão perturbados, não apenas porque estão vendo seus filhos abandonarem a escola, mas porque estão vendo uma estrutura familiar inteira desmoronar“, disse a Dra. Henrietta Bowden-Jones, porta-voz de vícios comportamentais no Royal College of Psychiatrists da Grã-Bretanha.

Bowden-Jones disse que os vícios em jogos costumam ser melhor tratados com terapias psicológicas, mas que alguns remédios também podem funcionar.

A Associação Americana de Psiquiatria ainda não considerou o Distúrbio do Jogo como um novo problema de saúde mental. Em uma declaração de 2013, a associação disse que é “uma condição que justifica mais pesquisa clínica e experiência antes que possa ser considerada para inclusão” em seu próprio manual de diagnóstico.

O grupo observou que grande parte da literatura científica sobre jogadores compulsivos é baseada em evidências de homens jovens na Ásia.

“Os estudos sugerem que, quando esses indivíduos estão envolvidos em jogos na Internet, certos caminhos em seus cérebros são acionados da mesma maneira direta e intensa que o cérebro de um viciado em drogas é afetado por uma substância em particular”, disse a associação nesta declaração. “O jogo estimula uma resposta neurológica que influencia sentimentos de prazer e recompensa, e o resultado, ao extremo, se manifesta como comportamento aditivo”.

Mark Griffiths, que pesquisa o conceito de desordem de videogame há 30 anos, disse que a nova classificação ajudaria a legitimar o problema e fortalecer as estratégias de tratamento.

“O videogame é como um tipo de jogo não-financeiro do ponto de vista psicológico”, disse Griffiths, professor de vício comportamental da Universidade Nottingham Trent. “Os apostadores usam o dinheiro como forma de manter a pontuação, enquanto os jogadores usam pontos”.

Ele calculou que a percentagem de jogadores de videogame com um problema compulsivo era susceptível de ser extremamente pequena – muito menos do que 1% – e que muitas dessas pessoas provavelmente têm outros problemas subjacentes, como depressão, transtorno bipolar ou autismo.

O saxena da OMS, no entanto, estimou que entre dois e três porcento dos jogadores podem ser afetados.

Griffiths disse que jogar videogames, para a grande maioria das pessoas, é mais sobre entretenimento e novidades, citando a esmagadora popularidade de jogos como “Pokemon Go”.

“Você tem essas explosões curtas e obsessivas e, sim, as pessoas estão jogando muito, mas não é um vício”, disse ele.

Saxena disse que pais e amigos de entusiastas de videogames ainda devem estar atentos a um problema potencialmente prejudicial.

“Fique de olho”, disse ele, observando que as preocupações devem ser levantadas se o hábito do jogo parece estar dominando.

Se (os videogames) estão interferindo nas funções esperadas da pessoa – seja estudos, seja socialização, seja trabalho – então você precisa ser cauteloso e talvez buscar ajuda”, disse ele.

Portal Padom

Deixe sua opinião