Obama diz que a Bíblia o inspirou para defender os gays

0
226

Barack Obama, passará para a história dos Estados Unidos, não apenas por ser o primeiro presidente negro, mas também provavelmente por ser o mais liberal de toda a história americana. Durante uma recente cerimônia na Casa Branca, ele defendeu a obrigação das escolas do país em proporcionar banheiros e vestiários para os “transexuais”.

Pior, é que agora existe um condicionamento federal para o cumprimento desta norma. Ou seja, se não criar este tipo de banheiro, as instituições de ensino perderam as transferências de fundos do governo.

Até agora, 11 estados abriram processo contra Obama, por fazer algo que consideram inconstitucional. Gregg Abbott, o governador do Texas, disse: “O presidente continua violando a Constituição ao tentar reescrever as leis como um rei”.

Surpreendentemente, Obama disse que foi seu entendimento da Bíblia e suas crenças cristãs que o levaram oferecer nas escolas públicas a permissão para que estudantes usem o banheiro de sua escolha, independentemente do seu sexo biológico.

Ele usou indiretamente o versículo bíblico de Mateus 7:12 “faça aos outros o que quer que o façam”, para defender que os transexuais merecem mais atenção.

“Eu tenho um profundo respeito pelas crenças religiosas de todos, mas se você estiver em uma escola pública, a questão é como é que vamos garantir que as crianças são tratadas com bondade?” perguntou ele.

O presidente disse que está preocupado com a intimidação que sofrem os estudantes transexuais. A nova política de seu governo assegura que os estudantes devem ser livres para usar o banheiro de sua escolha, eles têm de notificar a escola que a identidade do estudante “difere dos registros anteriores.”

Vários líderes evangélicos, especialmente Franklin Graham, tem mostrado uma constante oposição, rejeitando publicamente as ideias liberais de Obama, mostrando que elas são claramente contrário aos princípios bíblicos.

Cirurgia de aborto e de mudança de sexo

Recentemente, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos emitiu um regulamento das novas leis de saúde pública, conhecida como Obamacare. Ele começou a exigir que as instituições de prestação de serviços de saúde e recebam fundos federais, que são necessários para fornecer serviços de “transição de gênero” e aborto.

Se as instituições não aceitar, o governo cortara a ajuda financeira que recebem, além de responder um processo na justiça americana.

A HHS, argumenta que as novas regras “se baseiam nas leis dos direitos civis anteriores que proíbem a discriminação sexual nos serviços de saúde“. O regulamento definitivo exige que as atividades relacionas com a saúde “tratem todos os indivíduos de acordo com sua identidade de gênero”.

Portal Padom

Deixe sua opinião