O menino que viu o pai ser morto quer se juntar à polícia “para proteger os cristãos”

Eles viram o pai ser morto por ser cristão, uns anos depois eles voltam a sonhar e um deles deseja ser policial para defender os cristãos.

0
217
os irmãos Marco e Mina que viram o pai ser morto por ser cristão, voltam a sonhar com um futuro melhor

Um jovem cristão de uma pequena vila na região de Minya, no Egito, que viu seu pai ser morto por militantes islâmicos, sonha em se tornar um policial para evitar ataques semelhantes.

Mina tinha apenas dez anos quando ele e seu irmão Marco, de 14 anos, viram o pai deles ser assassinado , enquanto um grupo de homens armados emboscavam seu carro em uma estrada deserta no sul rural do Egito em maio do ano passado.

Eles estavam seguindo um ônibus cheio de peregrinos que foi atacado primeiro. Todos os coptas que não aceitaram o Islã foram mortos. Então os pistoleiros ouviram a aproximação da caminhonete de Ayad.

Marco lembra como os atacantes atiraram nos homens na cabeça, enquanto gritavam “Allahu Akbar” (Allah é o maior).

“Depois de matar meu pai e todos os trabalhadores, um dos terroristas queria nos matar, mas outro deles disse a ele: ‘Deixe-os vivos para dizer às pessoas o que fizemos’”, disse ele ao World Watch Monitor no ano passado. Seu pai morreu nos braços de Marco.

Logo após o incidente, Mina foi entrevistada pela Reuters, contando o horror da experiência.

No início deste ano, sua mãe, Hanaa, expressou preocupação com os meninos, Mina em particular, mas agora ela diz que está “se saindo melhor“.

Os irmãos jogam muito futebol e o exercício ajuda-os a processar o que aconteceu, diz ela.

No entanto, na ausência do pai, ela diz que agora se sentem muito responsáveis. Durante as férias escolares, Marco continuou o trabalho de seu pai, fazendo sinos de igreja, mas Mina não se junta a ele. “Eles sempre querem ter certeza de que pelo menos um homem está na casa comigo e com suas irmãs“, explicou Hanaa.

O impacto emocional do que eles passaram também afetou a vida dos meninos de outras maneiras. Na escola, eles lutam para se concentrar e começam a ficar para trás. Mas a mãe diz que, 15 meses depois, eles pelo menos começaram a sonhar de novo. Marco quer se tornar engenheiro, enquanto Mina diz que espera se tornar policial para “proteger os cristãos e impedir ataques como o que aconteceu com meu pai”.

Deixe sua opinião

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui