afrorecordprocessoMinistério Público processa rede Record por usar termos considerados ofensivos às religiões afro.

O Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo ajuizou ontem 06/03/09, uma ação civil pública, com pedido de liminar, para que as emissoras de televisão Record e Gazeta não exibam mais programas que ofendam as religiões de matriz africana. Segundo a procuradora regional dos Direitos do Cidadão, Adriana da Silva Fernandes, programas veiculados pelas duas emissoras utilizam palavras ofensivas contra credos como o candomblé e a umbanda, referindo-se a suas entidades como “encostos”, “demônios” e “espíritos imundos”. Até o termo “macumba”, usado em referência àquelas crenças, foi considerado pejorativo. Caso as emissoras descumpram a decisão judicial, o MPF pede a aplicação de multa diária no valor de R$ 10 mil.

A Record, segunda maior rede da TV brasileira, é controlada pela Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), cuja plataforma teológica dá forte ênfase ao combate às doutrinas afrobrasileiras. Na ação, o MPF ainda destacou que a liberdade de comunicação não é absoluta, devendo estar em compasso com outros direitos e princípios inseridos na Constituição Federal, como, por exemplo, o “respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família”. Em abril de 2008, o Ministério das Comunicações já havia aplicado multa de R$ 1.012,32 às duas emissoras por supostas ofensas aos adeptos daqueles credos. No entender da procuradora, a punição não foi suficiente para fazer cessar as discriminações praticadas. A direção da Record avisou que espera ser oficialmente notificada da ação para tomar providências.

(Com reportagem da Agência Folha)

Deixe sua opinião

Leia também!  Para Marina, religiosidade do brasileiro não pode ser ignorada - Assista