Lucas 5:1-11

2 – E viu estar dois barcos junto à praia do lago; e os pescadores, havendo descido deles, estavam lavando as redes.
3 – E, entrando num dos barcos, que era o de Simão, pediu-lhe que o afastasse um pouco da terra; e, assentando-se, ensinava do barco a multidão.
4 – E, quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao mar alto, e lançai as vossas redes para pescar.
5 – E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede.
6 – E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede.
7 – E fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco, para que os fossem ajudar. E foram, e encheram ambos os barcos, de maneira tal que quase iam a pique.
8 – E vendo isto Simão Pedro, prostrou-se aos pés de Jesus, dizendo: Senhor ausenta-te de mim, que sou um homem pecador.
9 – Pois que o espanto se apoderara dele, e de todos os que com ele estavam por causa da pesca de peixe que haviam feito.
10 – E, de igual modo, também de Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram companheiros de Simão. E disse Jesus a Simão: Não temas; de agora em diante serás pescador de homens.
11 – E, levando os barcos para terra, deixaram tudo, e o seguiram.

Um dia tem 24 horas e na atualidade a cada dia que passa parece-nos que as horas avançam com maior rapidez. Antigamente conseguíamos realizar várias atividades em um só dia e ainda sobrava-nos bastante tempo para outras mais. Mas hoje em dia não é mais assim, com o avanço da tecnologia e com a rapidez da informação, tudo caminha a passos largos e isso nos remete a uma certeza: Jesus está mais próximo de voltar do que imaginamos.

Mas há um momento em nossa vida que parece-nos que o tempo não avança tão rápido assim, é quando as coisas não vão muito bem conosco, quando sofremos alguma decepção, quando temos alguma perda, algum fracasso. As horas parecem que não passam, parece que há um congelamento do tempo e queremos desesperadamente que aquela noite ou dia termine para que venha outro trazendo uma nova esperança de que amanhã será diferente. A derrota, a tristeza, a mágoa, o fracasso, ficam martelando em nossa mente, o sono não vem, a noite não passa, e a angústia por um mau sentimento parece que não tem fim, os culpamos ou culpamos os outros ao nosso redor, nos remoemos por dentro tentando buscar uma explicação e a pergunta que não cala é: Por quê?

Isso aconteceu em um momento da história de Pedro, discípulo de Jesus, e aconteceu um pouco antes dele ser chamado pelo Senhor dos senhores para ser seu discípulo. Pedro havia saído à noite para pescar junto com outros pescadores e não conseguiram apanhar um peixe sequer. Voltaram para casa, decepcionados, desapontados, entristecidos, tentando buscar respostas, meio que sem entenderem nada do que havia acontecido e então foram lavar as redes. Enquanto lavavam as suas redes, eis que chega Jesus e faz-lhe um pedido: “Pedro me empresta o teu barco…”

1º. JESUS VIU DOIS BARCOS

Diz o versículo 2 do texto acima descrito: “E viu estar dois barcos junto à praia do lago; e os pescadores, havendo descido deles, estavam lavando as redes.”

Eram dois barcos pesqueiros que estavam no ancoradouro e que pertenciam a Pedro e seus sócios. Não se tratavam de dois barcos que estavam por perto, pois foi relatado por algumas autoridades da história que nessa época existiam cerca de 4.000 embarcações na Galiléia.

Isso significa dizer que Jesus não escolheu o barco de Pedro por falta de opção, mas escolheu de forma seletiva, ou seja, ele escolheu sabendo por que escolhia, para que escolhia e de quem escolhia. Isso significava dizer que as escolhas de Jesus tinham um propósito.

Seguindo os passos de Jesus, aprendemos que nossas escolhas têm que ter seletividade. Tem que ter uma razão, um objetivo e saber quem está sendo participante dela. Jesus tinha um propósito. Escolhas sem propósito são como sementes dentro do bolso, ou seja, nada produzem.

Você tem que saber quem escolhe para ser seu amigo, seu marido ou esposa, quem escolhe para ser seu sócio, seu pastor, seu discípulo, seu mestre etc. Em nossa vida as escolhas que fazemos não podem ser feitas de forma aleatória, pois, dessa forma correremos sérios riscos de fazermos péssimas escolhas que trarão conseqüências catastróficas para o resto de nossa vida.

Jesus poderia escolher qualquer um entre 4.000, mas decidiu escolher o barco de Pedro porque tinha uma razão, um propósito específico para Pedro, fazer dele seu discípulo, e para ser discípulo de Jesus tem que entrar na escola do Rei, Jesus sabia quem era Pedro e o que poderia extrair dele. Mateus 22:14 Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos.

DEUS NÃO TE ESCOLHEU À TOA. QUANDO JESUS TE CHAMOU PARA CAMINHAR COM ELE, SABIA EXATAMENTE O QUE ESTAVA FAZENDO!

v O CHAMADO DE JESUS PARA VOCÊ É O MESMO DE PEDRO, OU SEJA, FAZER DE VOCÊ UM AUTÊNTICO DISCÍPULO DELE.

Ele pediu o barco de Pedro. Imagine, Pedro está arrasado com o fracasso da pesca, se sentindo o pior dos pescadores, triste, abatido, aborrecido, e Jesus chega e pede-lhe o seu barco.

Por pior que seja a nossa situação ou estado de espírito Jesus sempre verá algo que podemos lhe oferecer. É COMO SE JESUS DISSESSE: “Pedro, me empresta o teu coração!”

SABE O QUE JESUS ESTÁ TE FALANDO AGORA? “Filho (a) me empresta o teu coração para trabalhar nele, para falar com ele, para curar ele, para fazê-lo bater mais forte, para tratar dele hoje, agora!”

2º. LAVANDO AS REDES

2 – E viu estar dois barcos junto à praia do lago; e os pescadores, havendo descido deles, estavam lavando as redes.

As redes eram em formato de sino com pesos de chumbo nas extremidades que ao serem lançadas ao mar a afundavam capturando os peixes. Então os pescadores puxavam a rede com uma corda arrastando os peixes e restos de vegetação que se prendiam nela. Por esse motivo a rede precisava ser lavada a fim de ser mantida em boas condições de uso e fazer os devidos reparos.

O texto diz de forma clara no plural que eles lavavam as redes: Isso denota que não foi apenas uma tentativa, mas várias a fim de pescar os peixes necessários.

O ato de lavar as redes significava que aquela noite de trabalho havia terminado. Que era um período sem volta. Que nada poderia ser mudado além das circunstâncias. Que possíveis decisões equivocadas tomadas naquela noite não poderiam ser revogadas.

* AQUELE NOITE SIGNIFICAVA QUE:

  • Nada de bom havia acontecido;
  • Não havia motivo para se alegrar;
  • A noite havia sido de derrota;
  • Naquela noite a mesa estaria mais vazia;
  • A provisão não chegou;
  • As redes nas mãos de Pedro não foram capazes de vencer os obstáculos da escassez de peixes;
  • As redes nas mãos de Pedro não foram capazes de gerar o suprimento das necessidades;
  • Os conhecimentos de Pedro e sua larga experiência não foram suficientemente capazes de fazê-lo vencer a sua dificuldade;
  • Ninguém diria para Pedro: “Pedro, você é o cara!” Diriam: “Quem diria hein Pedro, logo você…”
  • O orgulho daria lugar à vergonha;
  • A força daria lugar à fraqueza;
  • A alegria daria lugar à tristeza;
  • A esperança daria lugar à decepção;
  • A auto-estima daria lugar à baixa estima;
  • A certeza daria lugar à dúvida;

*LAVAR AS REDES SIGNIFICAVA QUE O QUADRO NÃO PODERIA MAIS SER MUDADO, ATÉ QUE…

Jesus pede o barco e eles param de lavar as redes. É como se Jesus dissesse: “Este dia ainda não terminou para mim e muito menos para vocês!

NÃO FAÇAM DO OBSTÁCULO UM MOTIVO PARA PARAR, MAS FAÇA DELE UM AGENTE MOTIVADOR PARA MOSTRAR QUE É POSSÍVEL VENCÊ-LO!

PARE DE LAVAR AS REDES PORQUE AINDA NÃO É O MOMENTO!

3º. AFASTANDO-SE UM POUCO DA TERRA

3 – E, entrando num dos barcos, que era o de Simão, pediu-lhe que o afastasse um pouco da terra; e, assentando-se, ensinava do barco a multidão.

  • Não há milagre sem que haja fé para tentar mais uma vez;
  • É necessário sair da terra firme; Assim como um dia Deus disse para:
  • Noé – “Entra na Arca!”
  • Moisés – “Diga ao povo que marche!”
  • Josué: “Passa este Jordão!”
  • Abraão – “Sai da tua terra, do meio da tua parentela!”
  • Jacó – “Volte à Betel!”
  • Davi – “Vá a Ziclague, pois a vitória é sua!”
  • Elias – Volta pelo caminho do deserto de Damasco!
  • Jonas – “Vá para Nínive”
  • Ezequiel – Profetiza sobre esses ossos secos!”

Emocionalmente Pedro estava arrasado, frustrado, aborrecido, triste, decepcionado… e de repente chega alguém que diz: “Me empresta o seu barco… vamos para o meio do mar para que eu pregue às pessoas?”

Pedro teria todos os motivos para como diz o ditado popular, “chutar o balde…”, mas é justamente nessa hora que chega alguém tirando você totalmente do foco do problema e te diz: “Calma, vai dar tudo certo!”

  • “Calma, não se desespere, vai dar tudo certo!”
  • “Calma, não se precipite, vai dar tudo certo!”
  • “Calma, não murmure, vai dar tudo certo!”
  • “Calma, nem tudo é o que parece ser, vai dar tudo certo!”

Foi o que Elias fez com a viúva de Sarepta; “Me traz um bocado de pão na tua mão.” E ela respondeu: “Não tenho nada além de um punhado de farinha na panela e um bocado de azeite na botija, vou prepará-lo para mim e meu filho, comeremos e morreremos.” Então respondeu Elias: “Não temas, vai e faz como disseste, mas faz ele primeiro para mim, e depois para você

 e teu filho, pois da tua panela a farinha não acabará, e nem da tua botija o azeite faltará.” E assim aconteceu da panela a farinha não acabou e da botija o azeite não cessou por muitos dias. (I Reis 17)

 VOCÊ PODE NÃO TER NADA, MAS JÁ É O SUFICIENTE PARA JESUS FAZER UM GRANDE MILAGRE.

O que Pedro tinha naquele momento além de um barco? Uma rede vazia! Com alguns restos de algas e vegetação marinha. Mas Jesus disse: “Vamos para o mar e lancem as vossas redes!”

  • 4 – E, quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao mar alto, e lançai as vossas redes para pescar.
  • 5 – E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede.

O termo Mestre usado por Pedro no grego é Epistates, Gr: O sentido não é de professor, mas de comandante, alguém que tinha autoridade. Ao usar esse termo ao se reportar a Jesus, Pedro reconhecia que Jesus tinha autoridade sobre os peixes do mar

Pedro não tinha ainda experimentado o poder de Jesus. Ele conhecia-o de ouvir falar. Assim como Jó. “Te conhecia de ouvir falar, mas agora os meus olhos te vêem.” Jó 42.5

Só vive o milagre quem enxerga Jesus com os seus próprios olhos.

*QUANDO VOCÊ CONHECE JESUS PORQUE ALGUÉM ESTÁ FALANDO DELE PARA VOCÊ É PORQUE ELE ESTÁ FAZENDO MILAGRE NA VIDA DE ALGUÉM, MAS QUANDO VOCÊ CONHECE JESUS COM OS SEUS PRÓPRIOS OLHOS É PORQUE ELE ESTÁ FAZENDO MILAGRE NA SUA VIDA!

4º. SOBRE A TUA PALAVRA

5 – E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede.

6 – E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede.

Jesus muda o quadro, muda a história, e um novo dia está amanhecendo. A Bíblia diz em Salmo 30.5 – O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.

AQUELE DIA SIGNIFICAVA QUE:

  • Algo extraordinário aconteceu;
  • Havia motivo para se alegrar;
  • Se a noite foi de derrota aquele dia foi de vitória;
  • Naquele dia a mesa seria farta;
  • A abundância chegou;
  • As redes nas Palavras de Jesus venceram os limites da escassez de peixes;
  • As redes na autoridade de Jesus geraram o suprimento das necessidades;
  • A autoridade de Jesus fez Pedro vencer a sua dificuldade;
  • Agora diriam para Pedro: “Pedro, quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem e agora também os peixes? “Tá bem na fita hein Pedro!”“ Tá assim com o homem hein!”
  • A vergonha perdeu o espaço para a honra;
  • A tristeza sucumbiu diante da alegria;
  • A fraqueza sumiu diante da força de Cristo; (A alegria do Senhor é a nossa força!)
  • A decepção desapareceu diante das expectativas superadas;
  • A baixa estima perdeu para a auto-estima restabelecida;
  • A dúvida foi dissipada pela certeza;

Ao ler esse texto fiz uma pergunta para mim mesmo: Onde estariam todos esses peixes? E o Espírito Santo me respondeu: “Onde sempre estiveram, ou seja, no mar!”

Então compreendi o que Deus queria me dizer. Os peixes sempre estiveram ali, no mar. Qual a diferença entre uma pescaria e a outra?

Na primeira:                                         Na segunda:

*Pedro foi sem Jesus                            *Pedro foi com Jesus

*Pedro usou seus conhecimentos   *Pedro foi debaixo de uma Palavra profética do próprio Deus

*Pedro foi à escuridão                           *Pedro foi à luz de Cristo

*Pedro a força de seu braço                *Pedro foi pelas mãos de Cristo

*Pedro foi cheio de si                             *Pedro foi cheio de Deus

*Pedro cresceu                                          *Pedro diminuiu para que Cristo crescesse

*Pedro foi no poder da rede                 *Pedro foi no poder de Cristo

Os peixes sempre estiveram ali, a questão é que onde Cristo está, não somente o vento e o mar lhe obedecem, mas também as aves dos céus, os seres terrestres e os peixes do mar!

CONCLUSÃO:

7 – E fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco, para que os fossem ajudar. E foram, e encheram ambos os barcos, de maneira tal que quase iam a pique.

8 – E vendo isto Simão Pedro, prostrou-se aos pés de Jesus, dizendo: Senhor ausenta-te de mim, que sou um homem pecador.

9 – Pois que o espanto se apoderara dele, e de todos os que com ele estavam por causa da pesca de peixe que haviam feito.

10 – E, de igual modo, também de Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram companheiros de Simão. E disse Jesus a Simão: Não temas; de agora em diante serás pescador de homens.

11 – E, levando os barcos para terra, deixaram tudo, e o seguiram.

Aquela pesca era apenas um treinamento de Jesus para Pedro e aqueles que seriam seus discípulos a partir daquele momento.

Quando você pensar em abundância de Deus, de multiplicação de Deus na sua vida, lembre-se de que isso tem um por que, uma razão e um objetivo.

Ela é apenas um pretexto de Deus para mostrar a você que:

  1.  Você pode ir muito mais além do que imagina ou já determinou;
  2.  Por mais simples que seja a sua condição, seja ela material, profissional, eclesiástica, espiritual, você sempre terá algo que pode oferecer ao Senhor como ferramenta para a construção de uma grande obra;
  3.  Por menores que sejam as chances, quando a noite termina, um novo dia amanhece e com ele a alegria do Senhor, pois ela é a nossa força;
  4.  Enquanto Jesus não der a última palavra, enquanto a trombeta não tocar, não pare para lavar as redes. Continua lançando-as ao mar da vida porque os peixes estão lá;
  5. A multiplicação na sua vida será o resultado da multiplicação dos frutos que ele espera de você e por isso há uma responsabilidade sobre seus ombros;
  6.  Assim como aqueles peixes estavam próximos a Jesus, pessoas perdidas, desiludidas com a vida, desesperadas, derrotadas, machucadas, feridas na alma, precisam desesperadamente de estar próximas de alguém que exale o bom perfume de Cristo e esse alguém é você.

Vivamos a abundância, a multiplicação de Deus na nossa vida e sejamos multiplicadores do amor de Jesus na vida das pessoas ao nosso redor.

E lembre-se: Não pare para lavar as redes, pois um novo dia está amanhecendo e Jesus manda você lançá-la mais uma vez.

Nele, por Ele, para Ele.

por: Pr. André Lepre

2012 O ano da Multiplicação

Portal Padom

Deixe sua opinião