Mulher indiana da a luz a uma menina
Uma jovem mãe solteira em Dhanbad busca justiça no tribunal depois de ser abandonada pelo marido por ter dado à luz uma menina

JUNTE-SE AO NOSSO GRUPO no Telegram ou WhatsApp. Oferecemos o que há de mais relevante em notícias e conteúdo cristão 🤗

Uma jovem mãe foi rejeitada e atacada por seu marido e sogros depois de dar à luz a uma menina no leste da Índia reflete a cultura do país de “preferência por filho”, o que levou a um número muito alto de abortos seletivos de sexo e um grave desequilíbrio na proporção entre os sexos.

Bhavana (nome fictício), uma mãe do distrito de Dhanbad, no estado de Jharkhand, foi rejeitada e violentamente atacada por seu marido e sogros depois de dar à luz uma menina em vez de um menino em maio de 2020, cerca de três anos depois de seu casamento, de acordo com a Alliance Defending Freedom India, uma organização de defesa legal baseada na fé.

Anushree Barnard, porta-voz do ADF Índia para a campanha Vanishing Girls, que apoiou a mãe, diz que durante a infância e até a idade adulta, meninas e mulheres na Índia e em muitas outras partes do Sul da Ásia enfrentam “discriminação extrema e até fatal”.

A prática generalizada de abortos com seleção de sexo “ameaça a vida de milhões e resultou em um grave desequilíbrio na proporção de sexos em todo o país”, diz a campanha.

O Registro Geral da Índia divulgou dados em 2018 que mostraram uma proporção de 844 meninas nascidas para cada 1.000 meninos na capital da Índia, Delhi.

O jornal médico britânico The Lancet publicou um artigo de pesquisa em abril mostrando um aumento geral de 60% nos casos de “meninas desaparecidas” na década mais recente em comparação com as décadas anteriores.

A seleção pré-natal de crianças com base no sexo, afirma a ADF Índia, tem sido associada ao aumento da violência contra as mulheres e à crescente demanda por tráfico humano.

O grupo de direitos humanos ADF International apelou à ONU e à comunidade internacional mais ampla para reconhecer formalmente as práticas de seleção de sexo como atos de feminicídio e, portanto, comprometer-se com sua proibição e prevenção de acordo com o direito internacional.

“A luta contra o feminicídio não deve terminar até que todas as meninas, nascidas ou não-nascidas, gozem de seu direito a um futuro”, disse Giorgio Mazzoli, oficial jurídico da ONU para a ADF Internacional em Genebra.

“Inúmeras meninas na Índia e em todo o mundo continuam a ser vítimas de violência fatal e discriminação antes mesmo de terem a chance de nascer. Tanto internacional quanto nacionalmente, existem proteções obrigatórias para que cada menina possa desfrutar do direito à vida, livre de violência ”.

Aqueles que acreditam que “mulheres e meninas têm o mesmo que homens e meninos não podem fechar os olhos ao que está acontecendo hoje”, acrescentou Mazzoli.

De acordo com o último censo do governo da Índia de 2011, havia 828 meninas por 1.000 meninos na idade de 0 a 6 anos na comunidade Sikh. Entre os jainistas, havia 889 meninas para cada 1.000 meninos na mesma faixa etária. A proporção nacional de crianças por sexo na Índia era de 918 meninas por 1.000 meninos, de acordo com o jornal DNA .

No entanto, havia 958 meninas cristãs por 1.000 meninos, 913 meninas hindus por 1.000 meninos, 943 meninas muçulmanas por 1.000 meninos e 933 meninas budistas por 1.000 meninos.

Swati Narayan, do Instituto Tata de Ciências Sociais, argumenta que as escrituras das religiões abraâmicas proíbem explicitamente o infanticídio feminino, mas as religiões que se originaram no subcontinente indiano não. Isso, diz ela em um artigo anterior, se reflete nas proporções “normais” de sexo infantil entre cristãos e muçulmanos, mas muito menor entre hindus, sikhs e jainistas.

Deixe sua opinião