Jang-mi ficou surpresa quando a porta da cela se abriu. Esmagada, ensanguentada e ensopada pelas tentativas dos cativos de acordá-la com baldes de água, ficou surpresa ao ver seu tio passar pela porta.

Jang-mi vive no país mais opressivo do mundo para os cristãos – a Coréia do Norte. Então mudamos o nome dela para protegê-la.

Apenas dois meses antes, ela estava felizmente casada e morando na China. Ela escapou com sucesso da Coreia do Norte e estava vivendo livre de perseguição. Pouco depois de chegar em uma cidade fronteiriça chinesa, Jang-mi conheceu e se apaixonou por seu marido, que também era da Coréia do Norte. Eles também haviam se encontrado e se apaixonado por Jesus.

Eles estavam felizes, mas o coração do marido estava sofrendo.

Ele queria voltar para a Coréia do Norte e contar à sua família sobre sua nova fé. A Bíblia o apresentara à verdadeira liberdade, e ele queria que todos soubessem disso.

“Eu volto amanhã”, o marido de Jang-mi disse a ela.

Ela viu quando ele atravessou o rio congelado, voltando para a Coréia do Norte. Enquanto a neve girava em torno dele, ela esperava que suas palavras finais fossem verdadeiras.

Certamente, ela o veria amanhã. Mas isso não aconteceu.

Alguns dias se passaram, depois uma semana e depois um mês. Finalmente, Jang-mi sabia que ela tinha que ir atrás do marido.

Ela sabia que atravessar a fronteira norte-coreana e chinesa é perigoso, não importa em que direção você esteja viajando. A polícia norte-coreana é instruída a atirar à vista. Apesar de tudo isso, ela assumiu o risco.

Ela tentou atravessar o rio e foi imediatamente capturada pelos guardas. Ela acabou na prisão.

Leia também!  Violação da liberdade religiosa aumenta no México

Durante todo o dia e toda a noite, Jang-mi suportou tortura. Os soldados gritaram com ela, chamando-a – ironicamente – de “Judas” por trair a Coreia do Norte e seguir a Jesus.

Finalmente, um de seus captores reconheceu seu nome de família. Ele foi e encontrou seu tio, que era um oficial de alto escalão do exército norte-coreano. O tio de
Jang-mi conseguiu libertá-la e ele a levou para a casa de sua família. Lá, ele deu a ela um presente – o velho chapéu militar de seu pai.

“Seu pai queria que você tivesse isso”, disse ele. “Olhe dentro do chapéu.”

Jang-mi olhou dentro do chapéu e puxou a aba interior. Lá, no lugar onde a maioria dos soldados escrevia seus nomes, havia uma pequena cruz. Jang-mi ficou chocada.

“Você quer dizer que meu pai era um crente em Jesus?” Jang-mi perguntou. “Mas como? Por que ele nunca me contou?”

“Porque ele estava tentando proteger você e sua família”, respondeu o tio dela.

Quando um cristão é pego na Coreia do Norte, é uma sentença de morte. Se você é descoberto compartilhando o Evangelho ou segurando uma única página da Palavra de Deus, você pode ser condenado a 15 anos em um campo de trabalho. Poucas pessoas nos campos sobrevivem mais do que alguns anos.

O pai de Jang-mi está agora em um desses campos de prisioneiros. Ela sabe que ele provavelmente não sobreviverá à sentença. Ela também descobriu que seu marido havia sido pego cruzando a fronteira e mais tarde foi executado por sua fé.

Desolado, Jang-mi mais uma vez arriscou a travessia fria de volta à China. Ela viu seus velhos amigos, ficou em sua antiga casa, e ela se lembrou mais uma vez como apaixonado seu marido tinha sido sobre o compartilhamento do Evangelho. Ela pensou em seu pai e em como ele também estava disposto a morrer por sua fé.

Leia também!  TV do Canadá visita CPAD

“Eu tenho que voltar”, ela pensou. “Eu tenho que voltar e dizer para aqueles que não ouviram.”
Jang-mi estudou a Palavra de Deus completamente, sabendo que as Bíblias são poucas e distantes entre si em seu país de origem. Então, ela atravessou o rio congelado mais uma vez – determinada a compartilhar o Evangelho com aqueles que não conhecem Jesus.

Jang-mi é apenas um dos muitos cristãos corajosos que estão arriscando tudo para trazer a esperança de Jesus para a Coréia do Norte. Em cidades fronteiriças como a que
Jang-mi e seu marido viviam, os crentes chineses e norte-coreanos esperam para compartilhar comida e a Palavra de Deus com aqueles que arriscam suas vidas para fugir para a China.

Muitos desses seguidores de Cristo retornam à Coreia do Norte, equipados com um amor apaixonado por Jesus, mas com pouco conhecimento bíblico. Eles estão implorando por cópias da Palavra de Deus para ajudá-los a compartilhar o Evangelho.

Eles acreditam que dentro de suas páginas, eles encontrarão encorajamento e alimento espiritual para suas almas cansadas.

No dia 4 de novembro, os cristãos de todo o mundo se unirão como um só corpo e orarão pelos nossos irmãos e irmãs perseguidos em Cristo, no Dia Internacional de Oração pela Igreja Perseguida. É necessário que nós reservemos diariamente algum tempo para orar por Jang-mi e outros crentes como ela. E enquanto você ora, pense em enviar pelo menos uma Bíblia para a Coréia do Norte.

World Help, uma organização humanitária cristã que atende às necessidades físicas e espirituais de pessoas em comunidades empobrecidas em todo o mundo.

Deixe sua opinião