A Coréia do Norte prendeu novamente outro missionário cristão, desta vez um australiano de 75 anos de idade.

Hong Kong Australia North Korea DetainedDurante uma visita a capital de Pyongyang na Coréia do Norte, John Short, foi levado sob custódia, por ter distribuído literatura de conteúdo cristão.

Short, é dono de uma livraria cristã em Hong Kong e viajou a Pyongyang com um grupo de turistas de Pequim.

“Ele não vai se intimidar com os comunistas“, disse sua esposa, Karen Short, ao grupo Reuters. Segundo ela, seu marido na primeira viagem que fez ali, leu a Bíblia Sagrada diante dos guias do governo. “Não estou chateada, somos missionários cristãos, e nós temos um grande apoio para o que fazemos.”

“Meu marido faz o que ele acredita que é o que Deus quer que ele faça,” disse a Sra. Short.

Nos últimos anos, Short, é o segundo missionário detido pela Coreia do Norte. O missionário americano Kenneth Bae, está cumprindo o seu segundo ano de sua condenação de 15 anos, apesar dos esforços do governo dos EUA para sua libertação. Além de Bae, um homem de 85 anos, veterano da Guerra da Coréia, também foi preso em novembro, mas as autoridades o libertaram um mês depois.

“Ele é valente, assim é o caráter de meu esposo“, disse a esposa de Short. “Espero que as coisas melhorem, ele está nas mãos de Deus, nós acreditamos totalmente nisso”.

Os Short, vivem em Hong Kong, com seus três filhos e tem compartilhado a mais de 40 anos o evangelho de Cristo na Ásia. John Short foi preso pelas autoridades chinesas em varias ocasiões nos anos 90 por seus esforços missionários, devido a isso foi proibido de entrar no país por vários anos.

Sua recente prisão na Coréia do Norte foi comentada em um recente relatório da Organização das Nações Unidas desta semana, onde detalha as violações dos direitos humanos no país e qualificando como “crimes que chocam a consciência da humanidade”.

“Violações sistemáticas, generalizadas e graves dos direitos humanos tem sido e estão sendo cometidos pela Republica Popular democrática da Coréia, suas instituições e seus funcionários“, disse o relatório.

O relatório assinala a importância da discriminação religiosa no país comunista.

“Os cristãos são proibidos de praticar sua religião e são perseguidos. Punições severas são aplicadas a essas pessoas, que são apanhadas praticando a fé cristã”.

Se condenado Short, poderá pegar 15 anos de prisão. Oremos por ele.

Portal Padom

Deixe sua opinião