C_71_article_1370949_short_teaser_group_short_teaser_image
A inglesa Donna Gilmore, de 24 anos, sofre de asma desde que era bebê. A doença nela se manifesta de maneira tão intensa que cada ataque pode ser fatal. Na última crise, sua filha, Savannah Fitzgerald, de apenas 5 anos, ao ver a mãe passando mal ligou para o serviço inglês de emergências, o 999, e contou ao atendente que sua mãe estava ficando azul – o aconteceu, obviamente, porque Donna não conseguia respirar.

Durante a crise, a irmã mais velha de Savannah, Shanelle, de 9 anos, também ajudou a resgatar a mãe: trouxe um travesseiro e o remédio que ela tem de tomar quando passa mal. Por sorte, naquele dia, as crianças tinham faltado à escola. “Se as meninas não estivessem aqui no intervalo entre a ligação e a chegada dos paramédicos, acredito que não teria resistido”, contou Donna ao jornal britânico Daily Mirror. As meninas estão acostumadas à doença da mãe, que toma 40 comprimidos por dia e tem de inalar oxigênio regularmente. A caçula está sempre a postos. “É como se ela tivesse um sexto sentido: se eu passo mal à noite, ela acorda imediatamente”, afirma Donna. Já a mais velha, inclusive, fez um curso de primeiros-socorros para crianças.

Esta não foi a primeira vez que a menina salvou Donna. Quando tinha 4 anos, fez massagem cardíaca no peito da mãe, procedimento que aprendeu observando a avó. É para ela quem as meninas devem ligar nessas situações, mas para sorte da mãe, Savannah achou melhor chamar o serviço de emergências.

Revista Crescer / Portal Padom

Deixe sua opinião