O médico israelense Gai Peleg disse à televisão israelense que no norte da Itália as ordens não são para permitir que pessoas com mais de 60 anos tenham acesso a aparelhos respiratórios.

A Itália sofreu mais vítimas relacionadas ao coronavírus do que a China, com 4.825 mortes confirmadas e 5.000 pacientes confirmados nas últimas 24 horas, informou o Canal 12 no domingo.

O médico israelense Gai Peleg, que atualmente trabalha para salvar vidas em Parma, na Itália, disse ao Canal 12 que as coisas estão piorando à medida que o número de pacientes cresce.  

Como seu departamento recebe pacientes com coronavírus que estão em estado terminal, o foco é permitir que os pacientes encontrem seus entes queridos e se comuniquem com eles durante seus últimos momentos, apesar dos regulamentos de quarentena. Outros relatórios afirmam que, à medida que o número de mortos aumenta, algumas famílias se vêem incapazes de garantir um enterro adequado para seus entes queridos.  

Peleg disse que, pelo que vê e ouve no hospital, as instruções não são para oferecer acesso a aparelhos respiratórios artificiais a pacientes com mais de 60 anos, pois esses aparelhos são limitados em número.  

Atualmente, Israel está comprando milhares de máquinas respiratórias e elas devem chegar ao país em meados de maio. No sábado, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que Israel está usando todos os meios necessários para garantir equipamentos médicos para ajudar os pacientes durante a pandemia.

Ele acrescentou que todos os serviços de saúde do mundo enfrentam escassez devido à natureza rápida e inesperada do COVID-19. 

Deixe sua opinião

WhatsApp
Entre e receba as notícias e artigos do dia