Início Noticias Gospel Internacional Martin Luther King, antes de morrer reconheceu que o seu sucesso foi...

Martin Luther King, antes de morrer reconheceu que o seu sucesso foi graças ao apoio de Billy Graham

0
926

O Rev. Martin Luther King Jr., foi um importante ativista pelos direitos humanos e igualdade nos Estados Unidos. Ele era também pastor protestante, nasceu em Atlanta, no dia 15 de janeiro de 1929, e morreu assassinado no dia 04 de abril de 1968 em um hotel da cidade de Memphis. Se estivesse vivo, ele teria completado ontem 83 anos.

De acordo com o portal Carisma News, antes de sua morte, King teve um encontro com evangelista Billy Graham, a quem considerava seu amigo e reconheceu que o seu sucesso foi graças ao apoio do evangelista.

King atribuiu a Graham um papel importante na redução na tensão entre brancos e negros no sul. Em 1965, Graham, cancelou uma turnê na Europa para pregar em uma serie de cruzadas no Alabama, orando para que o Evangelho derrubasse os muros da divisão racial, e acompanhava a importância do trabalho que King fazia.

Depois disto, King disse: “Se não fosse pelo ministério de meu bom amigo, o Dr. Billy Graham, meu trabalho e o movimento dos direitos civis não teria sido tão bem sucedido como foi”, reconheceu o reverendo.

Durante o movimento pelos direitos civis, Graham pregou, “Jesus não era um homem branco, ele não era um homem negro. Ele veio daquela parte do mundo que afeta a África, Ásia e Europa. O cristianismo não é uma religião do homem branco, não deixe ninguém lhe dizer que é branco ou preto. Cristo pertence a todas as pessoas, Ele pertence ao mundo todo”.

Graham estava na Austrália quando ocorreu o assassinato de King. Ele lembra o momento em que alguém se aproximou dele com a notícia. “Eu estava quase em choque. Não só foi perder um amigo através de uma morte cruel e sem sentido, mas os Estados Unidos estava perdendo um líder social e um profeta, e eu senti que sua morte seria uma das maiores tragédias da nossa história.”.

Ao refletir sobre como o seu pensamento mudou ao longo dos anos, Graham escreveu: “Eu não posso apontar para qualquer acontecimento ou crise intelectual que mudou minha opinião sobre a igualdade racial. Eu fiz amizade com estudantes negros, e eu me lembro bem de um deles entrar no meu quarto um dia e falar com a profunda convicção da necessidade do EUA por uma justiça racial.”.

“No entanto, o meu estudo da Bíblia, que finalmente me leva a concluir não só que a desigualdade racial é um mal, mas que os cristãos devem demonstrar amor a todas as pessoas”, disse Graham.

“Eu tenho um sonho”, disse Martin Luther King, Jr. no dia 28 de agosto de 1963, “… que um dia esta nação se levantará e viverá o verdadeiro significado de sua crença – nós celebraremos estas verdades e elas serão claras para todos, que os homens são criados iguais.”.

Em uma descrição de uma reunião em Nova York realizada em 1957, Graham escreveu em sua autobiografia: “Uma noite com o líder dos direitos civis, o Dr. Martin Luther King, Jr, a quem tive o prazer de conhecer e contar como um amigo deu uma eloqüente oração de abertura de um culto, veio ao meu convite, um dos refugiados de nossa equipe durante a cruzada para ajuda a entender a situação racial na America com mais detalhe.”

Martin Luther King, Jr. entrou no ministério cristão e foi ordenado em fevereiro de 1948 na Igreja Batista Ebenezer, em Atlanta, com a idade de 19. Em 1954, ao ter completado seus estudos de pós-graduação na Universidade de Boston, aceitou o chamado para servir na Igreja Batista Dexter Avenue em Montgomery, Alabama.

Renunciou esta posição em 1959 para retornar à Atlanta para dirigir as atividades da Conferência da Liderança Cristã do Sul.

De 1960 até sua morte em 1968, também atuou como co-pastor com seu pai na Igreja Batista Ebenezer.

O presidente dos EUA, Barack Obama, juntamente com a primeira dama, Michele Obama e sua filha mais velha, Malia Obama, participaram na manhã de domingo (15) em uma atividade comunitária, para homenagear o aniversário, de vida e o legado do Dr. King.

O presidente Obama, disse “não há melhor maneira de celebrar o Dr. King, do que servir a comunidade”, e disse que “ninguém é incapaz de servir, que não seja capaz de ajudar alguém.”

A campanha de King contra a segregação levou a Lei dos Direitos Civis de 1964, a tornar ilegal a segregação racial.

O mundo precisa de homens, o Dr. Billy Graham , o Rev. Martin Luther King, Jr. e Rev. David Wilkerson… Para lutar pelas causas sociais e pregar o evangelho de Jesus Cristo aos cativos. Onde estão estes homens em nossa Geração? Alguém se habilita?

Portal Padom

Deixe sua opinião

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui