Marinha dispensa primeiros marinheiros do serviço por recusarem a vacina COVID-19

A Marinha dos Estados Unidos anunciou que dispensou 20 marinheiros por se recusarem a receber a vacina COVID-19, de acordo com um comunicado à imprensa na quarta-feira.

Um oficial da Marinha recebe um reforço de vacina COVID-19 durante um exercício de imunização em massa na Estação Aeronáutica de Sigonella, em 7 de dezembro de 2021. (Foto da Marinha dos EUA / Especialista em Comunicação em Massa de 2ª Classe Josh Cote)
Um oficial da Marinha recebe um reforço de vacina COVID-19 durante um exercício de imunização em massa na Estação Aeronáutica de Sigonella, em 7 de dezembro de 2021. (Foto da Marinha dos EUA / Especialista em Comunicação em Massa de 2ª Classe Josh Cote)

A Marinha dos Estados Unidos anunciou que dispensou 20 marinheiros por se recusarem a receber a vacina COVID-19, de acordo com um comunicado à imprensa na quarta-feira, enquanto o Corpo de Fuzileiros Navais confirmou que 251 fuzileiros navais foram dispensados.

O serviço informou que, a partir de 5 de janeiro, ocorreram 20 “separações de nível de entrada” devido às recusas da vacina COVID-19, que é a primeira rodada de altas. Ele “reflete os militares que, desde o tempo do mandato da vacina, foram separados durante os períodos de treinamento inicial dentro de seus primeiros 180 dias de serviço ativo”, de acordo com a atualização da Marinha.

O Corpo de Fuzileiros Navais na quinta-feira também confirmou que 251 fuzileiros navais foram dispensados ??por se recusarem a tomar a vacina até o momento.

“Até o momento, houve 3.260 pedidos de acomodação religiosa em relação ao mandato da vacina COVID-19. Neste momento, 3.115 foram processados ??e nenhum pedido foi aprovado”, disseram os fuzileiros navais.

A Marinha, entretanto, disse que “houve 3.009 pedidos de serviço ativo para uma acomodação religiosa de imunização para a vacina COVID-19”.

Noventa e quatro por cento dos fuzileiros navais estão totalmente vacinados e outros 2% parcialmente vacinados, disseram os fuzileiros navais em dados divulgados esta semana. Para a Marinha, cerca de 5.268 funcionários ativos e 2.980 membros do serviço da Reserva Pronto não foram vacinados.

O secretário de Defesa Lloyd Austin emitiu um memorando em agosto estipulando que todos os militares recebam uma vacina, levando todos os ramos das Forças Armadas a estabelecer prazos para que as tropas fossem totalmente vacinadas.

Vários dias atrás, um juiz federal decidiu a favor de cerca de três dúzias de SEALs da Marinha que entraram com uma ação contra o Pentágono por causa do mandato da vacina. Eles argumentaram que suas crenças religiosas os impediam de receber a vacina COVID-19 e não foram legitimamente considerados antes de a Marinha rejeitar seus pedidos.

“Os militares da Marinha, neste caso, buscam reivindicar as mesmas liberdades que sacrificaram tanto para proteger”, escreveu o juiz Reed O’Connor, indicado por George W. Bush, em uma ordem na segunda-feira. “A pandemia COVID-19 não concede ao governo nenhuma licença para revogar essas liberdades. Não há exceção COVID-19 à Primeira Emenda. Não há exclusão militar de nossa Constituição. ”

Mike Berry, do First Liberty Institute, cujo grupo abriu o processo em nome dos SEALs, disse que o mandato obriga os militares a escolher entre suas crenças religiosas e sua profissão.

“Punir os SEALs por simplesmente pedirem uma acomodação religiosa é puramente vingativo e punitivo. Estamos satisfeitos que o tribunal tenha agido para proteger nossos bravos guerreiros antes que mais danos sejam causados ??à nossa segurança nacional ”, disse ele em um comunicado.

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, em dezembro, disse a repórteres que há conversas no Pentágono sobre se um reforço deve ser obrigatório para todos os membros do serviço. Nenhum anúncio público foi feito ainda.

Deixe sua opinião