Início Noticias Gospel Cinema & Cultura Mara Wilson, estrela infantil de ‘Matilda’, conta que foi sexualizada quando era...

Mara Wilson, estrela infantil de ‘Matilda’, conta que foi sexualizada quando era criança por Hollywood

Em me sentia envergonhada, diz ex-atriz infantil Mara Wilson, sobre o tempo em que era sexualizada pela mídia quando era criança em Hollywood

113
Mara Wilnson como Matilda
Em 1996 Mara Wilson estreou a brilhante crianças chamada Matilda, se tornando em um sucesso mundial, mas que a deixava infeliz.

Mara Wilson, a estrela infantil conhecida por seus papéis em “Matilda”, “Uma Babá Quase Perfeita”, e o remake de 1994 de“ Milagre na Rua 34 ”, está condenando Hollywood e a mídia por sua sexualização das crianças.

Em um artigo de opinião publicado no The New York Times na terça-feira, Wilson, agora com 33 anos, descreveu as “mentiras” que Hollywood conta sobre as meninas. Ela explicou que, quando criança, ela nunca usava “nada mais revelador do que um vestido de verão na altura dos joelhos”, mas era sexualizada e objetificada mesmo assim.

“Meus pais pensaram que eu estaria mais segura assim”, escreveu ela. “Mas não funcionou. As pessoas me perguntavam: ‘Você tem namorado?’ em entrevistas desde os seis anos. Os repórteres me perguntaram quem eu achava que era o ator mais sexy e sobre a prisão de Hugh Grant por solicitar uma prostituta.”

“Foi fofo quando crianças de 10 anos me enviaram cartas dizendo que estavam apaixonadas por mim”, disse a ex-atriz. “Não era quando os homens de 50 anos faziam. Antes mesmo de eu completar 12 anos, havia imagens minhas em sites de fetiche por pés e photoshopadas em pornografia infantil.”

Cada vez que qualquer um desses maus-tratos acontecia, Wilson explicou, ela se sentia “envergonhada”.

“Hollywood resolveu enfrentar o assédio na indústria”, escreveu ela, referindo-se ao movimento #MeToo, que começou para valer em 2017. “Mas eu nunca fui assediada sexualmente em um set de filmagem. Meu assédio sexual sempre veio das mãos da mídia e do público.”

Wilson lembrou de uma turnê de imprensa em julho de 2000, quando ela estava em Toronto promovendo o filme “Thomas e a Ferrovia Mágica”. Era seu aniversário, mas ela tinha que trabalhar de qualquer maneira.

A cansada Wilson, então com 13 anos, sentou-se para uma entrevista com um jornalista, que perguntou a jovem atriz como ela estava se sentindo. Wilson descreveu sua decisão de dizer-lhe honestamente como “um dos maiores erros da minha vida”.

“Não sei por que me abri com ela”, escreveu ela. “Mas nunca fui boa em esconder meus sentimentos… E parecia que ela realmente se importava. No dia seguinte, o jornal de registro do Canadá me colocou na primeira página de sua seção de entretenimento. O artigo começava: ‘A entrevista nem começou com Mara Wilson, estrela infantil, e ela está reclamando com sua equipe.’ ”

“O artigo passou a me descrever como uma ‘pirralha mimada’ que agora estava ‘na meia-idade’”, continuou Wilson. “Descreveu os caminhos escuros que estrelas infantis como eu costumavam seguir. Abraçou o que agora chamo de ‘A Narrativa’, a ideia de que qualquer pessoa que cresceu aos olhos do público encontrará um fim trágico ”.

O que mais?

Em seu artigo no Times, Wilson disse que aparentemente notou em um ponto que ela “odiava” Britney Spears, a cantora que chegou ao estrelato ao lado dela. Embora agora ela saiba que não odiava – e não odeia – Spears, Wilson disse que seu comentário veio de seu desejo inato de resistir à chamada “narrativa”.

“Havia uma forte veia de ‘Not Like the Other Girls’ (Diferente das Outras Garotas) em mim na época, o que me parece vergonhoso agora – embora eu não tivesse que acreditar nisso, quando passei tanto da minha infância fazendo testes contra tantas outras garotas?” ela escreveu. “Parte disso era puro ciúme, que ela era bonita e legal de uma maneira que eu nunca seria. Eu acho que principalmente, eu já tinha absorvido a versão da Narrativa que a cercava. ”

“A maneira como as pessoas falavam sobre Britney Spears era aterrorizante para mim naquela época, e ainda é agora”, explicou Wilson. “Sua história é um exemplo notável de um fenômeno que testemunhei por anos: nossa cultura edifica essas meninas apenas para destruí-las. Felizmente, as pessoas estão se conscientizando do que fizemos com a Sra. Spears e começando a se desculpar com ela. ”

Seu artigo de opinião foi publicado semanas depois do lançamento do documentário Framing Britney Spears, que explora o efeito devastador da fama na vida da cantora americana e as polêmicas envolvendo o controle de sua carreira por parte de seu pai.

“Muitos momentos da vida da Sra. Spears eram familiares para mim”, admitiu Wilson. “Nós duas tínhamos bonecos feitos de nós, tínhamos amigos íntimos e namorados compartilhando nossos segredos e homens adultos comentando sobre nossos corpos.”

Embora a sociedade esteja começando a reconhecer sua objetificação e abuso de estrelas infantis como Spears e Wilson, Wilson disse que a cultura da mídia na qual elas foram lançados causou danos irreversíveis.

“Ainda vivemos com as cicatrizes”, escreveu ela.

Deixe sua opinião