Mahmoud Ahmadineyad

Mahmoud AhmadineyadMahmoud Ahmadineyad, presidente do Irã, poderá enfrentar 74 chibatadas por ter violado as normas de registro de candidatos presidenciais.

O Conselho de Guardiães, órgão mais influente no Irã, reclamou da conduta do atual presidente ao considerar que ele violou as regras ao acompanhar seu amigo e conselheiro Esfandiar Rahim Mashaei no escritório de registro eleitoral.

A televisão estatal citou o porta-voz do Conselho de Guardiães, Abbas Ali Kadkhodaei, dizendo que as reclamações contra Ahmadineyad serão apresentadas ao poder judiciário do país em busca de possíveis acusações.

Ahmadineyad apoia fortemente Mashaei como seu herdeiro político, mas há sérios obstáculos para que ele ganhe as eleições presidenciais no próximo 14 de junho. Como parte de um confronto permanente entre Ahmadineyad e os clérigos governantes, Mashaei tem sido denunciado como o líder de uma “corrente desviante” que busca minar a lei islâmica.  –rt

Mahmoud Ahmadineyad, suas declarações polêmicas e sua vinda ao Brasil

O atual presidente iraniano, sempre atacou outras religiões com frases polêmicas, certa vez Mahmoud Ahmadineyad afirmou que “o mundo precisa de uma nova ordem, uma nova forma de pensar” e em outra ocasião atacou o judaísmo e o cristianismo afirmando que “Deus não enviou nenhuma religião chamada cristianismo ou judaísmo“.

Mas Mahmoud, não gosta mesmo é de Israel, ele já fez declarações afirmando que o Estado judeu  é “um tumor canceroso que deve ser removido”.

Em 2012, quando o líder islâmico veio ao Brasil, para participar do Rio+20, o Deputado Federal Marco Feliciano aproveitou sua presença no país e lhe encaminhou um pedido de libertação ao pastor Youcef Nadarkhani, que na época estava preso e que poderia ser morto por ter deixado o islã.

Agora fica a pergunta, será que ele será punido em seu próprio país?  Ou a justiça violenta islâmica é apenas para uma minoria sem poder? Deixe o seu comentário abaixo.

Portal Padom

Deixe sua opinião