Kassidi Kurill, com uniforme do hospital em que trabalhava e junto com sua filha, dias antes de morrer após tomar a vacina covid-19 da Moderna.
Kassidi Kurill, com uniforme do hospital em que trabalhava e junto com sua filha, dias antes de morrer após tomar a vacina covid-19 da Moderna.

Uma mãe solteira saudável de 39 anos de idade de Utah, nos Estados Unidos, morreu quatro dias depois de tomar uma segunda dose da vacina Moderna COVID-19 em 1º de fevereiro.

De acordo com a KUTV, sua família disse que Kassidi Kurill “tinha mais energia” do que a maioria das pessoas ao seu redor e era uma pessoa feliz sem nenhum problema de saúde conhecido.

“Eu realmente não chorei quando meu pai morreu, choro muito por ela”, disse seu pai, Alfred Hawley, um ex-piloto de caça da Base da Força Aérea, ao canal.

Kurill trabalhava como técnica em instrumentação cirúrgica local para vários cirurgiões plásticos.

“Estou em um estado na minha vida em que estou bem com essa [emoção]”, disse Hawley em meio às lágrimas, “foi ela que prometeu cuidar de mim”.

“Ela parecia saudável como um cavalo”, disse Hawley, de acordo com a Fox News. “Ela não tinha condições subjacentes conhecidas.”

Na manhã de 4 de fevereiro, Hawley acordou com o pedido de ajuda de sua filha.

“Ela veio cedo e disse que seu coração estava acelerado e ela sentiu que precisava ir ao pronto-socorro”, disse ele.

“[Ela] adoeceu imediatamente, sentiu dores no local da injeção, depois começou a ficar doente, começou a reclamar que estava bebendo muito líquido, mas não conseguia fazer xixi e se sentiu um pouco melhor no dia seguinte”, disse Hawley.

Hawley disse que sua condição piorou: ela disse que tinha dores de cabeça, náuseas e não conseguia urinar, embora estivesse bebendo líquidos.

Ele a levou para o pronto-socorro, onde ela fez exames de sangue. Hawley disse que então ela ficou menos coerente e começou a vomitar.

“Eles fizeram um exame de sangue e imediatamente voltaram e disseram que ela estava muito, muito doente e que seu fígado não estava funcionando”, disse Hawley.

Os médicos tentaram estabilizá-la para um transplante, mas sua condição piorou a ponto de ela não poder mais falar na manhã do dia seguinte.

“Eles estavam tentando levá-la a um ponto em que ela ficasse estável o suficiente para um transplante de fígado. E eles simplesmente não conseguiam mantê-la estável”, disse ele. “Ela foi piorando e piorando ao longo do dia. E às nove horas, ela faleceu.”

A família de Kurill está esperando por uma autópsia.

Eles criaram uma página do GoFundMe chamada “Fundo Memorial Kassidi Kurill e Emilia”, em homenagem a ela e sua filha de 9 anos.

KUTV liderou uma investigação sobre os efeitos colaterais da vacina COVID-19 e encontrou quatro mortes registradas pelas famílias e cuidadores.

Os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) disseram ao Epoch Times em um e-mail que em 8 de março, mais de 92 milhões de doses de vacinas de mRNA para COVID-19 foram injetadas, com 1.637 mortes ocorrendo após as injeções.

O CDC declara em seu site que: “Até o momento, o VAERS não detectou padrões na causa da morte que indicariam um problema de segurança com as vacinas COVID-19”.

O Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) foi implementado em 1990 para capturar reações imprevistas das vacinas.

Os dados do CDC também mostram que milhares de pessoas perderam suas atividades normais, incluindo o trabalho, depois de receber a vacina.

Em 18 de dezembro do ano passado, 3.150 pessoas relataram o que a agência chama de “eventos de impacto na saúde” após serem vacinados.

Aqueles que estão vivenciando esses “eventos” são “incapazes de realizar as atividades diárias normais, incapazes de trabalhar” ou “exigem cuidados de [um] médico ou profissional de saúde”.

A informação foi apresentada em 19 de dezembro pelo Dr. Thomas Clark, epidemiologista do CDC, ao Comitê Consultivo em Práticas de Imunização, um painel independente que fornece recomendações à agência.

Deixe sua opinião