A comunidade católica do Paquistão iniciou uma campanha para reivindicar uma adolescente católica de 13 anos que foi sequestrada por um homem de 44 anos que a forçou a se converter ao islamismo para se casar com ela. A Justiça do país aceitou o casamento depois que o marido alegou que a menina tinha, na verdade, 18 anos.

O sequestro de Arzoo Raja foi cometido na terça-feira do dia 13 de outubro, quando a menina “brincava em casa, saiu para ir a uma loja e não voltou”, explicou Nasir Raza, ativista de direitos humanos que ajuda a família. Depois disso, a busca começou, mas dois dias depois a polícia confirmou que havia recebido documentação indicando que a jovem tinha 18 anos e havia se convertido ao Islã para se casar com Ali Azhar, seu sequestrador.

Para tentar evitar a validação do casamento, os pais apresentaram sua certidão de nascimento oficial. No entanto, seus esforços foram em vão.

Validação pela Justiça

Na terça-feira, 27 de outubro, Arzoo Raja compareceu ao tribunal e alegou que havia se convertido à fé islâmica, então o casamento foi validado. “A peticionária pertencia inicialmente à religião cristã. No entanto, com o passar do tempo, ela entendeu e percebeu que o Islã é uma religião universal e pediu a seus pais e outros membros de sua família que abraçassem o Islã, mas eles negaram categoricamente”, afirmam os documentos do tribunal.

“Depois de abraçar o Islã, seu novo nome é Arzoo Faatima”, eles continuam, antes de aceitar que “ela se casou com Azhar por sua própria vontade, sem coação ou medo”.

Por fim, a ordem judicial também critica a Polícia por “molestar” a jovem após a denúncia de sequestro e instou “a dar proteção à esposa recém-casada”. Após a audiência, a adolescente foi acompanhada com sua nova família muçulmana e no dia 11 de novembro deverá comparecer novamente à Justiça.

Justiça aprova casamento de menina cristã sequestrada
Arzoo Raja, uma católica de 13 anos de Karachi, no Paquistão, foi sequestrada em 13 de outubro e forçada a abandonar sua fé e se casar com seu sequestrador.

Uma família desesperada

Apesar da decisão do tribunal, a família da menina não se conforma com a possibilidade de perdê-la, por isso exibiram cartazes na frente do tribunal para exigir sua volta. “Arzoo, venha até sua mãe” e “Ele vai te matar” foram duas de suas proclamações. 

“Em nome de Deus, por favor, resgate nossa filha”, pediu Rita, mãe de Arzoo, ao solicitar ajuda à Igreja que Sofre. “Estamos profundamente preocupados. Por favor, ajude-nos. O sequestrador e seus apoiadores estão nos aterrorizando e estamos em perigo por essas pessoas. Por favor, ouçam nosso apelo”, disse ele.

Por sua vez, Nasir Raza disse que “a família da menina está em estado de choque e muito tensa”. “A conduta inadequada dos policiais na delegacia é mais um desafio para a família, atolada em sofrimento e desespero”, finalizou.

Tribunal do Paquistão ordena que menina cristã de 14 anos seja devolvida a seu sequestrador

International Christian Concern (ICC) descobriu que o Tribunal Superior de Lahore ordenou Maria Shahbaz, uma menina cristã de 14 anos que foi sequestrada e forçada a casar com um homem muçulmano, para ser devolvida à custódia de seu sequestrador. Essa decisão, foi tomada em 4 de agosto, anulando uma ordem anterior do Distrito de Faisalabad e do Tribunal de Sessões, colocando Shahbaz em um abrigo para mulheres.

Em 28 de abril de 2020, Shahbaz foi sequestrada por Mohamad Nakash e dois cúmplices enquanto caminhava para casa na cidade de Madina, perto de Faisalabad. Segundo testemunhas, os seqüestradores forçaram Shahbaz a entrar em um carro e dispararam tiros no ar enquanto eles fugiam do local.

Após o seqüestro, Shahbaz permaneceu sob custódia de Nakash. Para justificar sua custódia de Shahbaz, Nakash afirma que ele e Shahbaz são casados ??e que ela se converteu ao Islã. Para apoiar esta alegação, Nakash produziu uma certidão de casamento declarando que Shahbaz tem 19 anos. No entanto, a validade deste certificado foi posta em causa, uma vez que o clérigo muçulmano cujo nome está listado no certificado negou qualquer envolvimento no casamento. (Saiba mais, clicando aqui)

Deixe sua opinião