A organização que solicitou a proibição, afirma que, se a pandemia do coronavírus chegar às aldeias, “a cena pode ser genocídio”.

Um juiz proibiu os missionários evangélicos de entrar no território das tribos indígenas que vivem no Vale do Javari, aqui no Brasil. “Povos indígenas isolados são especialmente vulneráveis […] estabelecer contato com eles é um grande risco”, afirmou o magistrado, referindo-se à pandemia de coronavírus.

A decisão, descrita pelos ativistas da organização Survival como uma “sentença histórica” , respondeu à demanda apresentada pelo grupo local Univaja, que representa as populações indígenas do local, onde está concentrado o maior número de tribos isoladas do planeta.

Univaja havia apontado que “se esta doença [covid-19] chegar às nossas aldeias, o cenário poderá ser genocídio”. Após a opinião, o advogado do grupo, Eliesio Marubo, declarou: “Espero que essa decisão lembre os cristãos de que a maior instrução divina é amar e respeitar os outros”.

A decisão menciona missionários específicos como Andrew Tonkin, Josiah McIntyre e Benjamin Wilson e a Missão Novas Tribos (Ethnos 360), que no passado anunciaram a compra de um helicóptero para entrar na região e entrar em contato com seus habitantes. No entanto, a medida se aplica a todos os missionários que tentam entrar no Vale do Javarí.

“Qualquer tentativa de contato com esses povos durante a pandemia de coronavírus seria uma sentença de morte para muitos deles” , disse Survival, depois de especificar que essas tribos não têm imunidade para várias condições. Além disso, ele lembrou que, na década de 1970, quando os grupos foram contatados pela primeira vez, eles foram “devastados” por doenças ocidentais.

Apesar dos esforços anteriores, o coronavírus já atingiu comunidades indígenas na Amazônia. Em 9 de abril, um adolescente de 15 anos da etnia Yanomami se tornou a primeira vítima fatal  infectada pelo novo coronavírus.

Deixe sua opinião