O jovem Alysson Ferreira de Lima, 18 anos, morreu na noite de quinta-feira, 15, após ter sido atigido por dois tiros na parada de ônibus quando saía da escola Mário Meireles, no bairro Mangue Seco, onde estudava em Pedrinhas. O crime aconteceu na noite do dia 6 (terça-feira), por volta das 21h, na parada de ônibus que fica próximo ao posto da Polícia Rodoviária, na BR-135. Segundo testemunhas, o suspeito de efetuar os disparos teria se aproximado da parada de ônibus e disparado contra as pessoas que estavam no local. “Ele já chegou atirando. Foram quatro disparos e dois atingiram Alysson que logo foi encaminhado para o Hospital Djalma Marques – Socorrão I, aonde veio a óbito”, afirmou Katiane Lopes, 22 anos, amiga da vítima.
Familiares e amigos do estudante estão revoltados com a morte dele, precoce e sem motivos. Colegas de Alysson mobilizaram toda a comunidade do Maracanã, bairro onde morava, para ajudar os pais dele que não possuem condições financeiras para sepultar o corpo do filho na cidade de origem da família, a capital do Rio Grande do Norte, Natal.
Tanto o estudante quanto seus pais eram evangélicos da Igreja Assembléia de Deus do Maracanã, onde o estudante foi velado durante todo o dia de ontem. À noite, por volta das 19h, o corpo de Alysson partiu em uma van para o estado do Rio Grande do Norte, onde será sepultado.
O veículo foi alugado graças à arrecadação feita pela igreja e amigos do jovem. De avião a despesa sairia pelo valor de R$ 7 mil.
Janice Ferreira de Lima, mãe da vítima, disse estar inconformada com o crime. “Era o meu filho quem nos ajudava em casa. Ele era maravilhoso, não se envolvia em confusão. Não entendo o motivo do homicídio”, desabafou.

Jornal Pequeno / Padom

Deixe sua opinião