Imagem ilustrativa de Jesus Cristo
Imagem ilustrativa de Jesus Cristo

Grande parte do mundo na Sexta-feira Santa e no Domingo de Páscoa marca a morte de Cristo na cruz e Sua ressurreição. Mas outros se perguntam se o Messias é real e a Bíblia verdadeira. Bem, você duvida que Júlio César existiu? Ou todos os antigos filósofos da Grécia? Você tem muito mais provas de que Jesus Cristo existiu, e que o Novo Testamento contando Sua história milagrosa desde a encarnação até a ressurreição é confiável.

Alex McFarland é um importante apologista cristão. Se você está se perguntando, isso não significa que ele se desculpe pela fé. Significa que ele defende a história de Cristo e mostra por que você pode confiar nela. Para chegar lá, ele primeiro explica os quatro tipos de testemunho que os historiadores desejam:

“Eles querem o testemunho ocular. Eles querem vários testemunhos. Eles querem o testemunho inicial. E o quarto é o testemunho hostil”, disse McFarland ao CBN News.

Os Evangelhos: Testemunhos Antigos e Testemunhas Oculares de Fontes Múltiplas

Quanto à testemunha ocular e no início, os Evangelhos Mateus, Marcos, Lucas e João são de homens que conheceram Jesus na carne ou obtiveram seus fatos de testemunhas oculares como Maria, a mãe de Jesus, e outros. As epístolas de São Paulo são escritas por um homem que encontrou o Cristo ressuscitado.

Recebemos os Evangelhos em menos de 10 anos após a cruz”, destacou este líder da Verdade para uma Nova Geração.

Compare isso com as 643 cópias antigas da Ilíada de Homero, cuja autenticidade os estudiosos não questionam.

Mas desde o momento em que escrevemos até as cópias que temos: foram mais de 500 anos. Na verdade, cerca de 900 anos”, afirmou McFarland.

As primeiras cópias dos anais do Caesars são quase 1.000 anos depois

Ele acrescentou: “Temos os anais de César, que chegam até nós em várias dezenas de cópias. Mas, novamente, as primeiras cópias que temos desde o momento em que escrevemos: quase um milênio. Mil anos.”

Compare isso com os fatos principais sobre Cristo: “O núcleo da identidade, mensagem e credenciais de Jesus estava em circulação regularmente dentro de oito semanas após a cruz”, comentou o apologista.

Falar de Cristo de antigos não-cristãos é abundante

Quanto ao testemunho hostil – ou pelo menos não pró-cristão – muitas fontes externas escreveram sobre este Jesus.

McFarland disse que essas fontes escreveram sobre “‘Um operador de maravilhas’, fez milagres, alegou ser Deus, crucificado na Páscoa: os fatos centrais do Evangelho – morte, divindade e ressurreição – apenas com base no antigo judeu, grego e Fontes romanas que certamente não eram amigas da Igreja em crescimento.”

 McFarland explicou: “Isso é muito atraente para os historiadores porque representa objetividade, que essas fontes – nenhuma amiga do movimento – também corroboram os fatos centrais do que sabemos sobre Jesus.”

Além disso, o apologista apontou, Will Durant, um ateu durante a maior parte de sua vida, mas possivelmente o historiador mais confiável do mundo, testemunhou que “Os quatro Evangelhos são absolutamente confiáveis ??do ponto de vista histórico.”

Você não duvida de Aristóteles ou se César realmente viveu

McFarland sugeriu que Durant diria se rejeitássemos esses Evangelhos: “Também teríamos que rejeitar uma centena de outros nomes antigos, cuja autenticidade nenhum historiador sonharia em questionar – Aristóteles, Júlio César – pessoas para as quais não temos tantas evidências quanto temos para Jesus.”

O cineasta Rick Larson encontra provas de Cristo e do mundo milagroso ao seu redor em uma esfera totalmente diferente: evidências científicas.

Provas concretas de eventos físicos no nascimento e morte de Cristo

Este criador dos documentários The Star of Bethlehem e The Christ Quake, (A Estrela de Belém e O Tremor de Cristo), disse: “Há dois grandes eventos no Cristianismo: há a encarnação, e há a execução e ressurreição. Esses são os dois grandes eventos. E essas duas coisas, Deus optou por deixar evidências concretas que podemos encontrar hoje e mostrar que eles ocorreram. “

No documentário The Star of Bethlehem, Larson descobriu que realmente havia uma luz no céu que guiou os Reis Magos até o menino Jesus. Foi até mostrado em moedas feitas na época.

O Senhor do Céu e da Terra

O terremoto de Cristo mostra a tripulação de Larson encontrando no solo outrora coberto pelo Mar Morto as ondulações geológicas do gigantesco terremoto que dividiu as rochas na hora da morte de Jesus.

Tudo isso prova a Larson quem é Deus: Senhor do céu e da terra.

“Os dois documentários mostram que a estrela de Belém era real – esses são os céus. E o terremoto na cruz foi real. Ele é o Senhor do céu e da terra. E escolheu deixar evidências suficientes para vermos que essas coisas são verdadeiras “, Argumentou Larson.

Ciência que apoia o que Mateus descreveu

O Evangelho de Mateus discutiu a estrela e o terremoto.

Larson afirmou: “E tanto para a estrela de Belém quanto para o terremoto na cruz, os fatos que encontramos – fatos científicos concretos que encontramos – são consistentes com o registro em Mateus.”

Ambos os documentários de Larson agora estão disponíveis em um box set.

Quanto ao registro escrito, lembra-se das centenas de cópias antigas da ‘Ilíada’ de Homero e das dezenas de biografias de Césares? Existem muitos outros manuscritos do Novo Testamento.

30.000 cópias

McFarland disse deles, “Fragmentos, porções, Novo Testamento completo: aproximadamente 30.000 cópias.”

E mesmo se não tivéssemos isso, o apologista explicou: “Poderíamos reconstruir literalmente todo o Novo Testamento – Mateus até Apocalipse – apenas com base em mais de meio milhão de citações de versículos por líderes da igreja primitiva que foram descobertos.”

A história confiável no Novo Testamento finalmente trouxe o historiador mestre ateu Durant.

A historicidade de Jesus: Ele é real

McFarland compartilhou: “Diz-se que Durant se tornou cristão antes de morrer porque foi compelido pela historicidade de Jesus“.

A conclusão do apologista bíblico: um crente precisa de fé em Cristo: “Mas é uma fé validada e digna de nossa confiança, de nosso seguimento e de nossa obediência. Jesus é real.”

Deixe sua opinião