Jaylles volta a depor na PF; agora foi sobre as ameaças de morte ´”Meu segurança é Deus”

Jaylles FenelonJaylles estava acompanhado do seu advogado, Raimundo Cutrim. Ele foi cauteloso nas afirmações
O ex-funcionário da Emgerpi, estudante de Direito Jaylles Fenelon voltou a comparecer à sede da Polícia Federal na tarde desta quinta-feira (16/07) para prestar depoimento. Agora para falar sobre as ameaças de morte que estaria sofrendo e sobre os dois homens presos, acusados de estarem rondando a sua cas, no bairro Morada Nova, zona Sul de Teresina, armados.Jaylles estava acompanhado do seu advogado, Raimundo Cutrim. Ele foi cauteloso nas afirmações e preferiu não informar mais sobre a pessoa que mandou os dois acusados. No dia da prisão dos acusados pela PF, na quarta-feira, ele disse que os dois estavam a mando “de alguém do Governo”. A PF-PI disse que pode ser realmente alguém do Governo, como também pode não ser.
Ele garantiu, no entanto, que os dois acusados, identificados como João Batista, que estava com a mochila e uma câmera, numa moto Dafra, e Alan Aléssio Araújo Cruz, policial militar lotado no Batalhão de Guarda do Palácio dre Karnak, que foi flagrado com uma mochila preta e uma arma, apesar de estar de folga, em uma moto preta, sem placa, são funcionários terceirizados da Emgerpi.
Sobre a segurança que o governador Wellington Dias (PT) ficou de garantir, ele disse que até agora nada. “Minha segurança é meu Deus. Sou evangélico, Acredito é em Deus. Volto a dizer que não estou com medo e não retiro nenhuma das denúncias que fiz. Tenho certeza que a Justiça vai ser feita”, afirmou Jaylles Fenelon após o depoimento prestado na Polícia Federal. Ele não revelou o conteúdo. Os dois acusados, João Batista e Alan Aléssio Araújo Cruz continuam presos.
180graus/padom

Deixe sua opinião