As igrejas pedem um fim à fácil disponibilidade do álcool barato, como um primeiro passo para lidar com os problemas que a Grã Bretanha enfrenta com o consumo excessivo de álcool, publica do jornal Christian Today da Inglaterra.

O pedido foi feito pela União Batista da Grã-Bretanha (BUGB), a Igreja Reformada Unida (URC) e pela Igreja Metodista, depois que a YouGov, ficou encarregada de realizar uma pesquisa para conhecer o impacto do consumo de álcool nas comunidades locais.

A YouGov, revelou que pouco menos de dois terços dos entrevistados (61%) disseram que sentiram que o consumo excessivo do álcool é um problema de seu bairro.

As igrejas acreditam que o problema é agravado pela fácil disponibilidade do álcool que é barato e pode ser reparado através da introdução de um preço mínimo por unidade de álcool.

Esta medida foi aprovada pela vigilância de saúde e pelo instituto Nacional de Excelência Clínica.

“Sabemos que as pessoas das comunidades locais, suportam o peso da fácil disponibilidade do álcool que é barato”, disse Ruth Pickles, vice-presidente da Conferencia Metodista e ex-conselheiro de abuso de álcool.

“Isso afeta os serviços de saúde, suas ruas, suas famílias e amigos. Como cristãos, queremos trabalhar dentro das comunidades para ajudar a encontrar soluções que realmente funcionam e proteja os mais vulneráveis”.

O Governo ignorou os pedidos para por fim o álcool barato, a nível nacional, mas a iniciativa esta sendo considerada por uma serie de conselheiros locais, incluindo Greater Manchester, Lachashire e Merseyside.

O Dr. Kirsty Thorpe, que é Reverendo e Moderador da Assembléia Geral da URC, acredita que o álcool barato é o verdadeiro problema de seu país, pelo aumento alarmante de doenças no fígado nos jovens.

Leia também!  Igreja celebrará 'culto erótico' para os fiéis

O Rev. Jonathan Edwards, que é Secretário Geral da BURGB, disse que a eliminação do álcool barato, é um “primeiro passo vital“. “A necessidade fundamental é familiarizar-se com a causa do consumo excessivo do álcool”, disse ele.

“Para alguns, é uma forma de protesto contra a sociedade, para outros é um grito de ajuda pessoal. Precisamos ouvir mais e encontrar maneiras que nós podemos promover um senso de propósito.”

Portal Padom

Com informações Noticias Cristiana

Deixe sua opinião