JUNTE-SE AO NOSSO GRUPO no Telegram ou WhatsApp. Oferecemos o que há de mais relevante em notícias e conteúdo cristão 🤗

Pastor Louie GiglioQuando o pastor Louie Giglio foi impedido de dar a benção na cerimônia de posse do segundo mandato de Obama, o motivo alegado foi as críticas públicas recebidas devido a um sermão postado na internet em que ele condenava o relacionamento de pessoas do mesmo sexo.

Quando abriu mão do convite, Giglio minimizou a importância dessa questão. Na carta que publicou para explicar sua desistência, afirmou que não tinha mudado suas opiniões sobre a homossexualidade. Mas insistiu que o sermão era antigo e acrescentou: “Claramente, falar sobre esta questão não tem sido uma de minhas prioridades nos últimos 15 anos”.

A partir de então, a mídia americana começou a questionar se havia, de fato, uma mudança na postura dos pastores mais influentes dos Estados Unidos sobre o assunto. David W. Key Sr., da Faculdade de Teologia da Universidade Emory, acredita que os pastores que pararam de dar tanta ênfase ao combate da homossexualidade estão atraindo mais membros.

Algumas denominações, como a Episcopal Anglicana viu surgir uma divisão internacional após um bispo assumidamente gay ter sido aceito. Outras, como os batistas, maior grupo evangélico do país, continua contrária à união gay, mas encontra dificuldade na unificação do discurso sobre o assunto. Várias igrejas independentes assumem posturas moderadas, mas a maioria parece sequer tocar no assunto.

Key ressalta que isso sempre vai acontecer entre as igrejas evangélicas, desde os debates sobre a abolição da escravatura até o consumo de álcool. De uma maneira ou de outra a sociedade chega a um consenso e as igrejas acabam se conformando, acredita o estudioso.

De fato, em 2001, a Convenção Batista do Sul criou um grupo para debater o ministério aos homossexuais, a pedido do pastor Bob Stith. O grupo foi extinto em junho do ano passado e o relatório final da denominação afirma: “Os desafios que enfrentamos são exponencialmente maiores do que eram há dez anos … A homossexualidade pode ser o principal dilema que a Igreja enfrentará nesta geração”. No entanto, nenhuma resposta ‘oficial’ foi dada.

“Esse problema não vai desaparecer”, disse Stith, inconformado. “Há muitas pessoas sentadas nos bancos das igrejas que precisam lidar com isso pessoalmente ou na família e não sabemos o que fazer com elas”.

O pastor Robert Jeffress da Primeira Igreja Batista de Dallas, que possui 11 mil membros, decidiu mudar a forma como trata a homossexualidade no púlpito. Ele continua acreditando que sexo homossexual é pecado, mas não dá mais uma atenção especial ao assunto. Jeffress diz que optou por falar sobre a questão gays dentro de “um contexto maior do plano de Deus, que ensina o sexo entre um homem e uma mulher em o relacionamento chamado casamento… Seria o cúmulo da hipocrisia condenarmos a homossexualidade e ignorarmos o divórcio e o adultério como atitudes antibíblicas”, disse ele, sem deixar o sexo antes do casamento nessa lista.

Jeffress ressalta “Não podemos escolher que partes da Palavra de Deus iremos compartilhar. Deus nos deu [a Bíblia] não para machucar as pessoas, mas para ajudá-las”. Ele ressalta que tem um grupo de gays e lésbicas em sua igreja, que lutam contra isso e recebem acompanhamento.

Mas ele se preocupa que a maioria dos pastores evangélicos hoje deseja se esquivar dessa responsabilidade. “Minha impressão é que as pessoas, de modo geral, estão apenas evitando o assunto”, finalizou.

A pressão para se mudar a maneira como a homossexualidade é tratada pelas igrejas pode ser reflexo da maneira como as novas gerações pensam. Em uma pesquisa de 2011, feita pelo Public Religion Research Institute, mostrou que 62% dos americanos entre 18 e 29 anos apoiam o casamento gay e 71% defendem o direito deles terem uma união civil. Entre os adultos com mais de 65 anos, os percentuais eram de 31% e 51% respectivamente.

Bill Leonard, reitor da Escola de Divindade da Universidade Wake Forest, se diz surpreso como os jovens são mais compassivos que seus pais quando se trata da comunidade LGBT. “Há uma percepção que essa antiga ideia de “ame o pecador, mas odeie o pecado” é algo muito frio”, ressalta.

Gospel Prime

Com informações de News Yahoo.

 

Deixe sua opinião

JUNTE-SE AO NOSSO GRUPO no Telegram ou WhatsApp. Oferecemos o que há de mais relevante em notícias e conteúdo cristão 🤗