Uma igreja anglicana em Londres pediu desculpas por permitir que uma estilista turca usasse seu altar como uma pista para modelos que vestiam roupas com simbolismo demoníaco, incluindo cruzes invertidas e chifres do diabo, pelo que foi divulgado como um desfile de moda satânico.

A igreja de St Andrew em Holborn, que foi fundada há 1.000 anos, foi usada pela designer Dilara Findikoglu para exibir sua coleção primavera / verão de 2018 como parte da semana da moda, mas a Diocese de Londres diz que não sabia o que isso implicava.

“A paróquia de St Andrew’s sempre apoiou a London Fashion Week. Nós tomamos esta reserva de boa fé e não conhecíamos o conteúdo ou design antes do show ter ocorrido”, disse um porta-voz em um comunicado ao portal de notícias Premier do Reino Unido.

“Este foi, obviamente, um erro, e o conteúdo deste show não reflete a fé cristã da Igreja”, acrescentou a diocese. “Nós estaremos olhando nossos processos de reserva para garantir que isso não aconteça novamente”.

“Glorificou o culto aos demônios“, disse o teólogo Adrian Hilton, do blog do arcebispo Cramner, ao primeiro-ministro, e chamou a decisão da igreja de sediar o evento – que incluía imagens de cartões de tarô e modelos que expor seus seios – “bizarro” porque “glorifica Satanás”.

Como a Igreja pode pedir a Deus para expulsar Satanás em sua liturgia de batismo quando está hospedando esse tipo de evento?” ele perguntou. “Há pessoas vestidas de Lúcifer! Há mulheres e homens caminhando com símbolos demoníacos”.

Hilton também criticou a igreja, perguntando: “Como isso é consistente com a missão (da igreja)? O clérigo residente aprovou esse evento? … Como é possível que um espaço sagrado possa ser usado para o que só pode ser descrito como louvor a Lúcifer, Como hospedar um Salão de moda satânico glorifica a Deus?”

A igreja foi fundada há 1.000 anos e reconstruída por Sir Christopher Wren após o Grande Fogo de Londres em 1666. Seu atual vigário é o Bispo de Fulham, Jonathan Baker.

Uma vez que a igreja exige que o pano de fundo seja aprovado antes de um evento, Hilton perguntou: “Eles consentiram seriamente que o altar fosse envolto por pentagramas, cabras, cruzes invertidas, olhos que veem e outras parafernaturas ocultas?”

A designer Findikoglu, que cresceu com pais muçulmanos em Istambul, recentemente disse à revista Vogue que ela está interessada em parapsicologia, o material oculto e “mágico”.

“Eu estou em parapsicologia e todo o material oculto e mágico, então quando eu estava lendo esses livros, eles pensaram que eu iria ser um satanista”, disse ela. “Não gosto de como a religião divide pessoas em grupos”.

Sobre o seu trabalho, ela disse: “A maior parte do meu instinto vem do que eu gosto e de quem sou. Meu trabalho é principalmente as coisas que estão em mim e estou explorando. Uso muita iconografia religiosa – ou símbolos ocultos, símbolos mágicos – mesmo que eu não acredite neles”.

Deixe sua opinião