VANCOUVER – Um juiz federal decidiu que um membro da Igreja do Universo, que acredita que maconha é a “árvore da vida”, não conseguiu demonstrar que o seu consumo de maconha “tem qualquer nexo com a religião.”

O religioso Christopher Bennett,  alegou que ele deveria ser permitido fumar até sete gramas de maconha  todos os dias para fins religiosos, argumentou que as leis do Canadá desrespeitam os seus direitos religiosos.

Mas em uma decisão de 21 páginas, o juiz Michel Shore escreveu: “Mesmo que o requerente alege que sua prática é baseada na crença de que maconha é a árvore da vida, isso, por si só, não a torna uma prática religiosa. “

Em entrevista, Bennett, 49, disse que ele vem usando maconha como um sacramento religioso por mais de 20 anos.

“Não é apenas um chamariz alguma”, disse ele. “Ao ingerir cannabis (nome científico da maconha), nós compartilhamos nossa consciência coletiva, que é um aspecto de Deus. Essa é uma crença comum em inúmeras tradições místicas.”

Bennett tem confrontado o  governo desde em fevereiro de 2009, quando escreveu ao ministro da Saúde alegando ser “interesse público” a isenção de Droga e Lei de Substâncias Controladas em motivos religiosos.

Mas as autoridades com do Gabinete de Saúde de Substâncias Controladas do Canadá negou o pedido do seu pedido, então ele apelou ao Tribunal Federal para uma segunda opinião.

Em sua decisão, Juiz Shore concluiu que o consumo de maconha por  Bennett equivalia a uma “opção de vida” secular que não estava protegido pelo direito de liberdade de religiosa canadense.

Portal Padom

Com informações nationalpost

Deixe sua opinião