Homem interrompe cena da crucificação para “salvar Jesus”

VÍDEO: homem invade palco, agride ator e tenta "salvar" Jesus em cena de crucificação

0
707

Um homem “mudou a história” da encenação da crucificação de Cristo, em Nova Hartz, município de 20,4 mil habitantes no Rio Grande do Sul, na noite da Sexta-Feira Santa (30).
Desconhecido das autoridades até a manhã deste sábado (31), o homem invadiu o palco e agrediu Samir André Rodrigues, 23 anos, que atuava como um dos soldados romanos que levaram Jesus à cruz. A cena foi gravada em vídeo por um morador e divulgada em redes sociais.

Faltavam cerca de 20 minutos para o encerramento da peça, prevista para durar uma hora e meia. Sobre um dos seis palcos instalados na Praça do Trabalhador, no centro da cidade, um grupo de 40 pessoas encenava a crucificação de Cristo e de dois ladrões. Cerca de 3 mil pessoas acompanhavam o espetáculo. No alto-falante, música de suspense, som de trovões e a voz de um narrador anunciava “tudo, tudo está consumado”.

Em seguida, Rodrigues se aproximou com uma lança e simulou atingir a costela do personagem de Cristo. Ao perceber o gesto, o intruso pulou sobre o palco.

Quem estava próximo ouviu ele gritar “seus demônios, eu vim para salvar Jesus”, quando avançava contra o soldado. Com um capacete de motoqueiro nas mãos, bateu contra a nuca do ator e desferiu um chute. Surpreendido, Rodrigues tentou se defender, enquanto o homem ameaçava mais golpes.

— Na hora, não entendi. Achei que tinha caído por cima de mim um dos ladrões que estavam sendo crucificados. Aí, olhei para o lado e vi aquele cara, meio perturbado — lembra Rodrigues, funcionário de um frigorífico da cidade.

O ator diz não ter se ferido porque usava uma capacete (que saltou longe), o que ajudou a amortecer o impacto da agressão. Entre o público, pessoas emocionadas com a cena, às lágrimas, se espantaram:

— É de verdade, é de verdade, meu Deus!

A encenação foi interrompida por cerca de cinco minutos. Outros atores imobilizaram o intruso, que foi retirado do palco. Instantes depois, um familiar dele apareceu, dizendo que o homem sofre distúrbios mentais.

O diretor do espetáculo, Adriano Ferreira, recorda que parte do público se revoltou, mas diz que integrantes da organização impediram agressões. Ele lamentou o episódio.

— Nunca imaginei que fosse acontecer uma coisa dessas. São 80 pessoas, todas da comunidade, que durante dois meses e meio, deixaram suas famílias aos finais de semana para ensaiar esta apresentação —desabafou Ferreira, que é diretor de Cultura da prefeitura de Nova Hartz.

O diretor diz que a encenação prosseguiu, mesmo com alguns atores abalados, terminando com a ressurreição de Cristo sob aplausos. O prefeito de Nova Hartz, Flavio Emílio Jost (PP), acompanhava com a família o espetáculo na praça. Para ele, o homem que invadiu o palco pode ter se confundido.

— Os atores são pratas da casa. Fizeram tão bem feito que ele (invasor) pode ter vivido o momento da época, acreditando que fosse real —comentou Jost.

A encenação ocorreu pelo quinto ano consecutivo na cidade, e não havia presença de policiais. A Brigada Militar foi chamada após o incidente, mas PMs de serviço estavam atendendo a outra ocorrência. Ao chegar lá, a guarnição não encontrou nem vítima nem agressor. Até a manhã deste sábado não havia registro do caso na BM nem da delegacia da Polícia Civil.

clicrbs

Deixe sua opinião

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui