Era homem, depois quis ser mulher, não ficou feliz quer ser o terceiro sexo
Norrie May-Welby, conseguiu o benefício onde deixa de pertencer aos gêneros masculino e feminino passando a pertencer a espécie do ‘terceiro sexo’
Era homem, depois quis ser mulher, não ficou feliz quer ser o terceiro sexo
Norrie May-Welby, conseguiu o benefício onde deixa de pertencer aos gêneros masculino e feminino passando a pertencer a espécie do ‘terceiro sexo’

A Corte de Apelações do estado australiano de Nova Gales do Sul permitiu um cidadão pertencer ao ‘terceiro sexo’, além dos gêneros masculino e feminino. Desta forma a Austrália segue os mesmos passos do Paquistão, Índia e Tailândia.

Norrie May-Welby, de 52 anos, foi quem obteve esse beneficio. Nasceu homem na Escócia e mudou para Austrália com seus pais, onde foi operado aos 28 anos, para tornar-se mulher, mas não se sentiu confortável e parou de tomar hormônios.

Em 2010 Norrie foi oficialmente declarado de ‘sexo neutro’, sua certidão de nascimento foi substituída por uma que diz que é de ‘sexo indeterminado’. No mesmo ano as autoridades de Nova Gales do Sul, advertiram a Norrie que a mudança não era valida sendo que tinha sido emitida por erro.

Norrie recorreu à decisão e ganhou. Como publicou o jornal australiano “The Sydiney Morning Herald”, a Corte de Apelações reverteu o julgamento de que todos devem ser classificados como homem ou mulher. Norrie finalmente vai ser listado como ‘assexuado’.

Ele disse que a decisão de seu reconhecimento oficial de ‘assexuado’, é que nem todas as pessoas são ‘inequivocamente masculinas ou femininas’. “Aceitamos que a maioria das pessoas seja homens ou mulheres, mas a lei deve incluir todo mundo”, explica o australiano.

No país existem milhares de cidadão andróginos e neutros que poderiam se beneficiar desta nova diretiva jurídica.

Além disso, há hermafroditas, ou seja, pessoas nascidas com as duas genitálias sexual e outros que decidiriam simplesmente não pertencer a nenhum sexo apesar de terem características física de um homem ou uma mulher. Segundo a Sociedade Intersexo da America do Norte, o caso de bebes com genitais ambíguas ocorrem em cada 1500 a 2000 nascimentos.  – RT

Leia também!  Jordânia quer "maior descoberta da história cristã" de volta

Ao comentar sobre o ocorrido, o diácono Thiago Dearo, diz que “Primeiro o camarada quis mudar de sexo, não se sentiu bem sendo ‘menina’, agora não quer pertencer a nenhum sexo. Esse camarada tá de brincadeira com a natureza.”, desabafa o diácono acrescentando que “Podem até realizar cirurgias de mudança de sexo, mas na realidade não consegue mudar, apenas o externo, pois no dna da pessoa, é aquele de quando ela nasceu, ou seja, homem é homem com genitália masculina ou não , e mulher é mulher da mesma maneira”.

Portal Padom

Deixe sua opinião