Homens se abraçando na esperança da perdão, é assim que acontece com aqueles que se tornam prodigos e rebeldes, quando voltam a Cristo
Homens se abraçando na esperança da perdão, é assim que acontece com aqueles que se tornam prodigos e rebeldes, quando voltam a Cristo

Existe alguma esperança se alguém imita o filho pródigo (Lucas 15:11-24), se afasta de Deus e da Igreja, e vive em vários pecados temporada após temporada?

Você responderia “não” a esta pergunta?

Se é isso que você e eu pensamos, provavelmente nunca oraremos, muito menos oraremos com esperança, por nossos amigos e familiares pródigos rebeldes.

Ou talvez você possa dizer: “Por que devo me importar? Isso nunca poderia acontecer comigo. ”

É verdade que nenhum de nós acorda de manhã e diz: “Acho que vou me rebelar deliberadamente contra Deus e estragar minha vida hoje”.

Não, com muito mais frequência escolhemos pecar gradativamente.

Temos a tendência de ouvir a Palavra de Deus e, pouco depois, ponderar: “Bem, estou perdoado, afinal, e não sou forte o suficiente para obedecer a isso de qualquer maneira”

O problema, como Tiago 2:10 nos lembra, é que desobedecer a Deus em um ponto é equivalente a se rebelar contra tudo o que Deus disse.

Todos nós lutamos com um defeito cardíaco grave?

Os pecados acabam revelando um defeito sério no fundo de nossos corações.

Quando olho para todos os pecados que cometi ao longo do caminho nas últimas semanas, fico preocupado.

O que há de errado comigo? Ou, melhor dizendo, por que sou tão inclinado a mim mesmo e tão avesso a Deus? Por que estou tão apto a escolher minha vontade, meu caminho, meu tempo… em vez de escolher a vontade de Deus, o caminho de Deus, o tempo de Deus?

Por que estou sujeito a cometer vários pequenos pecados variados?

Por “pouco”, é claro, quero dizer pouco aos nossos olhos, não aos olhos de Deus. Pecado é pecado.

Que estou muito feliz por não matar ou começar um caso sexual hoje não é uma grande virtude, quando estou igualmente apto a ignorar a presença de Deus em minha vida.

O legalismo funciona?

Infelizmente, quanto mais insisto que outras pessoas (minha família, membros da igreja e outros) sigam meus melhores passos, mais acabarei prejudicando-as.

Isso não significa que eu não viva minha fé diante dos outros, mas não aponto um dedo acusador e insisto para que sigam meu exemplo. Se o fruto de minhas ações não for convincente o suficiente por si só, devo ficar quieto. Quanto mais insisto, argumento e insisto, mais vou afastá-los da .

Vemos isso claramente na vida dos filhos e netos dos grandes reformadores evangélicos ingleses. Muitos de seus descendentes rejeitaram e renunciaram à fé, sofreram profundamente com a perda da fé, muitas vezes ainda professavam amor por Jesus, mas se tornaram agnósticos ou ateus.

Parte disso foi resultado do antiintelectualismo de seus pais ou avós, que os deixou despreparados para enfrentar as questões difíceis e os ataques francos apresentados pela academia, mas uma parte maior foi todo o legalismo mesquinho que eles cresceram odiando.

A resposta deles não é muito diferente de muitos na geração de hoje. Um graduado da faculdade colocou desta forma:

“Criado em um mundo de vitrais e reuniões de oração nas quartas-feiras à noite , fui expulso pela fofoca, pelo julgamento e pelo legalismo que me confrontavam toda vez que escurecia a porta da igreja.

Eu me senti desprezado por outros cristãos. Então, rejeitei de volta ao me recusar a me associar à minha igreja. A ironia é que eu fiz com eles exatamente o que eles fizeram comigo. ”

A história pródiga de Ashley

Jovem prodiga pedindo perdão a Deus
Jovem prodiga pedindo perdão a Deus

Minha esposa Renee e eu conhecemos Ashley online logo após um de nossos aniversários de casamento. Ashley cresceu na igreja e até trabalhou em uma livraria cristã, então estava cercada de cristãos – embora se sentisse espiritualmente congelada. Com a mesma seriedade, ela estava sexualmente envolvida com vários homens mais velhos, constantemente procurando pela “pessoa certa” para lhe dar o amor e a companhia que ela sentia que faltava.

“Ouço pessoas falarem sobre como Deus mudou suas vidas e, embora eu O tenha aceitado, não vejo nenhuma mudança e sinto que Deus me deu o fora”, Ashley me disse por e-mail. Ela explicou que nunca havia sentido realmente o amor ou o perdão de Deus, mas queria desesperadamente.

Em minha resposta, eu disse a Ashley: “Deus conhece e compreende completamente suas lutas. Ele nos perdoa e nos purifica de todo e qualquer pecado que cometemos. Acredite em mim, Ashley, não estou encarando sua situação levianamente. Mas você não cometeu o pecado imperdoável. ” Eu a incentivei a ler várias passagens das Escrituras e enviei um artigo sobre como experimentar o perdão de Deus.

A resposta de Ashley foi encorajadora. “Ontem à noite eu li alguns dos versos e era como se eles estivessem falando comigo.” Nas semanas seguintes, ela começou a se aprofundar na Palavra de Deus e encontrou um mentor para ajudá-la a prestar contas.

Então, algumas provações inesperadas aconteceram. O ex-namorado de Ashley ligou para dizer que queria voltar, mas quando ela foi encontrá-lo, ficou claro que ele só estava interessado em sexo. Ela corajosamente disse “não” a ele, e ele a largou. Mais tarde naquela semana, a mãe de Ashley perdeu o emprego e alguém tentou roubar o carro de Ashley.

Foi difícil encontrar palavras para dizer. Eu disse a ela: “Embora pareça que sua vida está desmoronando, continue se lembrando do que é verdade: Deus ainda é Deus, Ele te ama, Ele irá guiá-la por este momento difícil para dias melhores e uma nova vida cheia de amor, alegria, força e paz. Só mais tarde você realmente entenderá o que Deus deseja que você aprenda neste momento difícil, exceto confiar nEle ”.

Sim, há esperança!

Nos meses seguintes, Renée e eu oramos por Ashley e continuamos a nos corresponder com ela por e-mail. Nós louvamos a Deus em uma das suas respostas. “Ainda é um tempo de luta emocional, mas estou melhorando muito e ficando muito mais forte… Aprendi a me apoiar apenas em Deu , porque quando tentei me apoiar nas pessoas, acabei me machucando.”

Poucos meses depois, ficamos ainda mais encorajados ao saber que ela havia encontrado um cargo no ministério em sua igreja, estava voltando para a escola e havia conseguido uma promoção no emprego. Ela escreveu:

“Estou muito bem, graças a Deus. É inacreditável como as coisas foram de muito ruins para muito boas. Eu tenho sido realmente abençoado nestas últimas semanas, estou orando para que essas bênçãos continuem vindo do jeito que estão e que a tempestade finalmente passe. É de fato verdade que se buscarmos Seu reino primeiro, tudo o mais será adicionado.”

A história de Ashley é um poderoso lembrete de que Deus não desiste de você ou de mim, mesmo que falhemos com Ele repetidamente.

Infelizmente, falhar com Deus repetidamente é o que faço de melhor. Embora eu possa não ter cometido adultério fisicamente ou feito outras coisas ainda mais escandalosas, pequei contra meu Pai celestial e contra Renée, minha família e amigos.

Quanto mais me lembro disso, mais oro com esperança por cada um dos pródigos rebeldes que conheço e amo. E, quanto mais eu oro com humildade por minha própria alma – com esperança também!

por: David Sanford
traduzido e adaptado por: Pb. Thiago D.F. de Lima

Deixe sua opinião