Já em estado de alerta contra ataques do Boko Haram, que se originaram na região de Borno, os cristãos novamente se esconderam após o ataque contra Mark Ojunta, um evangelista de 36 anos que estava ministrando no meio do povo de Kodoko, com o Ministério Calvário (Capro). Ele foi assassinado em Maiduguri.

Amos Aderonmu, diretor internacional da Capro, disse que Ojunta morreu como um mártir no campo missionário. A Capro entendeu que os membros de sua equipe que trabalham com populações árabes estão na lista de pessoas a ser mortas pelo Boko Haram e, por isso, alguns foram evacuados, segundo Aderonmu.

“O irmão Mark levou sua família para fora da cidade, mas ainda voltou porque tinha que dar aula para alguns crentes no dia seguinte”, disse Aderonmu. “Foi nessa noite que o Boko Haram cercou o local onde eles estavam reunidos. Mark tentou fugir, mas não conseguiu.”

Em sua declaração, Aderonmu disse que, quatro dias antes da sua morte, Ojunta tinha recebido um convite para sair desse trabalho com as pessoas na Nigéria e ter uma posição administrativa na Capro Internacional, em Londres.

Aderonmu disse que Ojunta foi o primeiro mártir da Capro em seus 36 anos de existência como ministério. Ojunta era marido de Ema e tinha dois filhos: Kambe, de 3 anos de idade e Akira, de 9 anos.

Portas Abertas / Portal Padom

Deixe sua opinião